Universidade de Évora

Virologia 2004/05

 

Vanessa Correia (15351), Sara Albuquerque (17461)

 

Severe Acute Respiratory Syndrome (SARS)

(Fonte: 47)

A primeira doença grave transmissível do séc. XXI

 

 

Índice

Introdução. 1

Taxonomia. 1

Família Coronaviridae. 2

Coronavirus 2

SARS-CoV. 3

Sequenciação do Genoma de SARS-CoV. 3

Proteínas estruturais no SARS. 4

ORFs 5

Mutações 6

Receptores 6

Transcrição. 7

Replicação. 7

Sinal de empacotamento. 8

Cronologia da SARS. 8

Etiologia. 13

Epidemiologia da SARS. 13

Pressupostos de Koch. 13

Fonte da Epidemia. 14

Eventos de “Superspreading”. 14

Transmissão. 16

Medidas de Controlo. 17

Período de incubação. 18

Período de infecção. 18

Case fatality ratio. 18

Estabilidade e Resistência do SARS-CoV. 19

A Doença na População. 19

Animais como reservatórios de SARS-CoV. 19

Categorias de risco para a emergência da SARS. 20

Vigilância. 21

Áreas Afectadas 21

Manifestações clínicas 22

Definições de casos de vigilância para SARS. 22

Quadro clínico. 22

História natural da doença. 22

Situação clínica. 23

Métodos de Diagnóstico. 23

Radiologia. 23

Exames hematológicos e de bioquímica. 24

Testes de Diagnóstico Laboratorial 24

Prevenção e tratamento. 25

Vacinação. 25

Terapêutica. 26

SARS em Portugal 26

Perspectivas futuras 27

Considerações Finais 27

Lições aprendidas com este surto epidémico (13) 27

Glossário da SARS. 28

Referências Bibliográficas 29

 

Introdução

Quando os casos de pneumonia atípica começaram a surgir a WHO (World Health Organization) receou que se tratasse de uma nova estirpe de vírus influenza e que estivéssemos perante a primeira pandemia de gripe do século XXI. De tal forma que, apenas quando os laboratórios pertencentes à Rede influenza não detectaram a presença de qualquer estirpe deste mesmo vírus, é que se começou a suspeitar de se estar perante um novo agente (13).

SARS é encarada como a primeira doença transmissível grave do séc. XXI, apresentando-se como uma afecção respiratória aguda que pode evoluir para pneumonia potencialmente grave. Esta doença mostrou uma grande capacidade de se espalhar ao longo das linhas aéreas internacionais, o que justifica o facto de a maior preocupação, no presente, estar concentrada nos transportes e na expansão da doença nas áreas mais densamente povoadas (5 e 12).

A descoberta que um coronavírus é o agente causal da SARS foi feita pela primeira vez na Universidade de Hong Kong, tendo sido posteriormente confirmada no CDC (Center for Diseases Control and Prevention), em Frankfurt e no Canadá (12).

Há que referir que, em Portugal, em vez de se SARS (Severe Acute Respiratory Syndrome) se adoptou a nomenclatura de SRA (Síndroma Respiratória Aguda) (9).

TOP

Taxonomia

A taxonomia dos coronavírus foi recentemente actualizada. Os Coronavirus juntamente com os Torovirus (os que causam doenças entéricas no gado e possivelmente em humanos) são dois géneros que formam a família Coronoviridae, estando esta incluída na Ordem Nidovirales, que por sua vez também inclui as famílias Arteviridae e Roniviridae (6).

 

 

                                   Ordem: Nidovirales

 

                                               Família : Coronoviridae

 

                                                           Género: Coronavirus

 

Família Coronaviridae

Os Coronavirus são vírus ubiquitários e infectam uma enorme variedade de mamíferos e aves. No homem, causam, geralmente infecção ligeira do tracto respiratório superior, sendo responsáveis por mais de 30% das vulgares “constipações” ou resfriados comuns. Nos outros animais, são causa frequente de doença respiratória e gastrointestinal, podendo encontrar-se também, associados a hepatite, peritonite e encefalite. Hoje, conhecem-se mais de 13 espécies, cujo poder patogénico é limitado ao hospedeiro natural (Homem, bovinos, porcos, roedores, gatos, cães e aves). As infecções humanas, atribuídas actualmente a coronavírus, revestem-se de certa benignidade, mas a nível veterinário alguns destes vírus (aviários) constituem sérios agentes patogénicos, sendo responsáveis por perdas económicas notáveis.

Os Torovirus, são vírus responsáveis por doença entérica em certos animais (bois e cavalos), mas no Homem persistem ainda dúvidas quanto à identidade viral das partículas pleiomórficas, semelhantes a torovírus, que têm sido detectadas em fezes diarreicas (32).

TOP

Coronavirus

Estes vírus devem o seu nome ao aspecto em coroa que apresentam quando observados em microscopia electrónica. Dotados de grande polimorfismo, devido à presença do seu invólucro lipídico, apresentam, geralmente uma forma esférica e um diâmetro que varia entre os 60-220 nm. O invólucro dos coronavírus é adquirido por evaginação através das membranas do aparelho de Golgi ou do retículo endoplasmático e não através da membrana citoplasmática. O genoma é constituído por uma longa molécula de RNA de cadeia simples (mais de 30.000 nucleótidos), com polaridade positiva, que funciona directamente como mRNA (32). Este genoma é o mais longo de entre os vírus de RNA, possuindo entre 27 e 32 kb (6). O seu modo particular de replicação origina elevada frequência de recombinações e mutações, responsáveis pela variabilidade antigénica destes vírus (32 e 33).

A maioria dos coronavírus têm hospedeiros específicos na medida em que só infectam somente uma espécie hospedeira ou, na maioria, algumas espécies relacionadas, constituindo assim um importante grupo de patogénios de animais (6). Pelos estudos efectuados, pode-se então dizer que os coronavírus têm hospedeiros restritos e são exigentes em culturas de células (22). Estes vírus infectam principalmente superfícies mucosas, causando doenças respiratórias e entéricas que podem levar a importantes perdas económicas, particularmente no caso de infecções por coronavírus bovinos e suínos (1). Alguns podem induzir doenças hepáticas ou do sistema nervoso central (MHV- Mouse Hepatitis Vírus) e até infecções sistémicas (FIPV- Feline Infections Peritonitis vírus) (1).

Deste modo, os coronavírus podem ser classificados de acordo com as espécies em três grandes grupos de antigénios baseados em: serologia, hospedeiros naturais, reconhecimento de anticorpos monoclonais e sequenciação de nucleótidos.

*      Grupo I – inclui coronavírus humanos 229E (HCoV), “Porcine Transmissible Gastro-Enteritis Vírus” (TGEV) e “Feline Enteric Coronavirus” (FECoV);

*      Grupo II – inclui Coronavírus bovino (BCoV), “Murine Hepatitis Vírus” (MHV) e HCoV-OC43;

*      Grupo III – inclui “Avian Infectious Bronchitis Vírus” (IBV) (6).

 

É então possível verificar que os grupos I e o II contêm vírus de mamíferos e o grupo III contém somente vírus de aves. Dentro de cada grupo, os coronavírus são classificados de acordo com as diferentes espécies do hospedeiro, relações antigénicas e organização genómica (22).

Até recentemente existiam somente dois protótipos de coronavírus humanos: HCoV-229E e HCoV-OC43, juntos causam cerca de 30% das constipações comuns (1). O SARS-CoV foi sugerido para definir um grupo IV de antigénios de vírus, apesar de uma investigação sugerir que possa estar relacionado com o grupo II (1). A análise da sequência de uma região limitada do gene da replicase (rep) sugeriu que o SARS-CoV era distinto de todos os outros coronavírus (22). Análises posteriores do genoma completo vieram a confirmar esta dedução e sugeriram que o vírus está distantemente relacionado com os coronavírus dos grupos II e III (3). Estas descobertas apontam para a conclusão de que o SARS representa um novo 4º grupo dentro do género do coronavírus ou representa o grupo II que divergiu dos outros do grupo muito cedo na evolução. Embora, se tenha que ter em atenção, que ao contrário dos outros vírus do grupo II, o coronavírus SARS não possui a proteína esterase-hemaglutinina (HE) com a sequência que a codifica. Devido a este facto, é necessário proceder-se a mais investigações para se confirmar a classificação taxonómica deste vírus (3).

 

Figura 1 - Análise Filogenética dos Coronavírus (Fonte: 39)

TOP

SARS-CoV

Sequenciação do Genoma de SARS-CoV

No dia 14 de Abril de 2003, o CDC anunciou a conclusão da sequenciação do genoma do SARS associado ao coronavírus (SARS-CoV). Isto permitiu confirmar que o SARS-CoV era realmente um coronavírus desconhecido, visto que a sequência do seu genoma revelou que não existiam grandes homologias com os outros coronavírus já conhecidos (6 e 36).

Toda a sequência, excepto a sequência “leader”, foi derivada directamente do RNA viral. O genoma do SARS-CoV possui 29.727 nucleótidos, possui 41% de resíduos G ou C e a sua organização genómica é similar à dos outros coronavírus (22 e 36).

 

Figura 2 - Genoma do SARS-CoV (Fonte: 44)

TOP

Proteínas estruturais no SARS

A organização genómica é típica dos coronavírus, e estes possuem uma ordem de genes caracterítica (5'-replicase (rep), spike (S), envelope (E), membrane (M), e nucleocapsid (N)-3') e uma pequena região não traduzível na zona terminável (22).

As proteínas estruturais de SARS-CoV incluem:

*      Glicoproteína “spike” de superfície (S)

*      Proteína de membrana (M)

*      Glicoproteína de envelope pequena (E)

*      Proteína de nucleocápside (N)

 

Todas elas são muito importantes para a formação da arquitectura de SARS-CoV, especialmente as proteínas S e N que podem ser as melhores candidatas à terapêutica alvo de SARS (19). Mas é importante referir que alguns vírus do grupo II, incluindo OC43, e algumas cadeias de MHV, expressam uma quinta proteína estrutural – HE esterase-hemaglutinina. Esta glicoproteína encontra-se associada ao invólucro lipídico, apresenta actividade hemaglutinante e de esterase e, quando existe, forma pequenos peplómeros à superfície do virião (6 e 36). Mas como foi referido anteriormente esta proteína não está codificada no genoma de SARS-CoV (6).

 

Os coronavírus, possuem fases precoces e tardias de expressão de genes. As proteínas reguladoras são sintetizadas como proteínas precoces não estruturais, enquanto que as proteínas estruturais são sintetizadas como proteínas tardias. As proteínas estruturais tardias são usualmente requeridas em maiores quantidades, pois existe a necessidade de regular a expressão dos genes virais quantitativamente. Depois da entrada viral por via de endocitose ou por receptores específicos, a extremidade 5’ do genoma viral é traduzida directamente obtendo-se então proteínas virais, incluindo a RNA dependente RNApolimerase (RdRp) e outros produtos funcionais envolvidos na transcrição, replicação, montagem viral e morte celular (6).

 

A proteína spike – S é uma glicoproteína de 180 kd que existe na superfície viral e é crucial para a fixação viral e a sua entrada na célula hospedeira. O primeiro passo do ciclo infeccioso dos vírus com envelope é a sua interacção com os receptores celulares e a subsequente fusão com a membrana celular, a qual é mediada pela proteína spike. A imunoprecipitação demonstrou que a proteína S é cortada nos fragmentos S1 e S2 em SARS-CoV. Isto é esclarecido, quando a clivagem da proteína S ocorre nas células hospedeiras, o que vai ter um papel crucial na patogénese da infecção por SARS (19). Para além disso, pensa-se que a clivagem da proteína S pode estar envolvida na maturação de SARS-CoV. Em estudos recentes, verificou-se que as terminações amino (N) e carboxilo (C) da proteína S são conservadas nos coronavírus e estão também presentes na proteína S de SARS-CoV, apesar do domínio S2 ser melhor conservado do que o domínio S1. A terminação N da proteína S de SARS-CoV contém uma pequena sequência sinal tipo-I composta por aminoácidos que são supostamente removidos durante o transporte cotraducional através do retículo endoplasmático. A terminação C, consiste do domínio transmembranar e numa cauda citoplasmática rica em resíduos de cisteína, que é muito bem conservada em SARS-CoV (22).

 

Figura 3 – Constituição da Proteína spike (Fonte: 39)

TOP

A proteína da nucleocápside - N possui múltiplas funções que estão relacionadas com o fornecimento de sinais “nuclear-import”, interferem em processos celulares, replicação viral e empacotamento. Em adição, a proteína N em muitos coronavírus é muito bem conservada, imunogénica e expressa abundantemente durante a infecção. Estas características fazem dela uma candidata para anticorpos neutralizantes e aplicações de diagnóstico (19). A proteína da nucleocápside de SARS possui muitas semelhanças com as proteínas da nucleocápside de outros coronavírus, embora contenha uma pequena região única rica em lisina (KTFPPTEPKKDKKKKTDEAQ) que não é encontrada em nenhum dos outros vírus. Como a função desta região não é conhecida especula-se que possa ter uma nova função nuclear envolvida na patogénese (24).

 

A proteína de envelope - E está associada à formação do envelope dos coronavírus e contém um domínio hidrofóbico (resíduos 12 a 37) (19 e 22). A co-expressão das proteínas M e E dos coronavírus resulta na produção de VLPs (Vírus Like Particles), enquanto a expressão da proteína M sozinha não produz VLPs. Outra função biológica da proteína E é a indução da apoptose em células que expressem a proteína E (19). 

 

A proteína de membrana - M localiza-se e especializa-se nas estruturas membranares intracelulares. A proteína M é, por isso, uma proteína transmembranar e é a glicoproteína mais abundante nas células infectadas, tal como as partículas virais de coronavirus conhecidos (27).As interacções entre as proteínas M e E e nucleocápsides resultam do budding através da membrana (22). As terminações N das proteínas M são expostas na superfície viral, enquanto a terminação C está dentro da membrana viral. A maioria das proteínas M dos coronavírus, incluindo a do SARS-CoV contém 3 domínios hidrofóbicos transmembranares na terminação N em metade da proteína, enquanto outros vírus tem 4 (22).

 

Figura 4 – Esquema do virião do SARS-CoV, estando evidenciadas as suas principais proteínas estruturais  e o seu material genético. (Fonte: 48)

TOP

ORFs

A sequência do SARS-CoV revelou ORFs para 4 proteínas estruturais, como por exemplo, spike (S), membrana (M), envelope (E) e nucleocápside (N) estando todas estas presentes em todos os coronavírus. Existem várias ORFs da sequência do SARS-CoV que têm proteínas únicas e existem mais outras ORFs com funções desconhecidas que têm sido identificadas (7 e 36).

 

Figura 5 – Esquema do virião de SARS-CoV, com respectivas proteínas estruturais e ORFs (Fonte: 24)

 

Mutações

SARS-CoV é um vírus a RNA e uma das mais importantes características dos vírus a RNA é a sua frequente variação, o que ajuda a produzir novos isolados para escaparem da defesa do hospedeiro (25). Num estudo em que se usou uma estimativa conservativa da taxa de mutação, coloca-se a hipótese de que a população de SARS-CoV tem actualmente uma quantidade considerável de diversidade genética (8).

Devido ao facto, de o domínio S2 ser melhor conservado do que o domínio S1, e S1 ser o responsável pelo reconhecimento e ligação a um receptor particular do hospedeiro, este é um domínio com intensas mutações (25).

TOP

Receptores

Para se dar a interacção de fusão das membranas virais e plasmáticas são necessários receptores, pois são estes que permitem a entrada da nucleocápside no citoplasma (1). A Angiotensin Converting Enzyme 2 (ACE2) foi recentemente identificada como um receptor celular funcional para o SARS-CoV. ACE2 é expressa em grande quantidade nas células alvo primárias de SARS-CoV, nomeadamente pneumócitos e enterócitos da superfície do intestino. Análises bioquímicas apontaram para regiões específicas do domínio S1 da proteína S de SARS-CoV que interagem fortemente com ACE2. (31)

 

Apesar de, SARS-CoV infectar os pulmões e o intestino, a resposta dos tecidos nestes dois órgãos é diferente. Existem também provas que os tipos de células que não são capazes de detectar a expressão ACE2 podem ser infectadas pelo vírus. Outros estudos, em modelos de células humanas em cultura indicaram que a presença de ACE2 isolada não é suficiente para a manutenção da infecção viral, sendo necessário outros receptores ou co-receptores virais em diferentes tecidos. Deste modo, a interacção entre SARS-CoV e o sistema linfático ou imunológico ainda está por se definir (31).

 

Figura 6 - Esquema de entrada de SARS-CoV para a célula (Fonte: 48)

TOP

Transcrição

Os mRNAs subgenómicos dos coronavírus são sintetizados através de um processo descontínuo de transcrição. A produção de mRNA subgenómico de coronavírus na transcrição descontínua ocorre durante a síntese da cadeia negativa. A cadeia negativa subgenómica contém uma cópia da cadeia complementar da sequência leader na extremidade 3’, isto demonstra como o SARS-CoV não está muito próximo de qualquer outro grupo de coronavírus formando assim um grupo distinto dentro do género Coronavirus (22).

 

Replicação

Durante a replicação e tradução do mRNA coronaviral, são feitos um determinado número de transcritos de RNA. Estes mRNAs subgenómicos partilham a terminação comum 3’ (a terminação 3’ do genoma). Existem tantos mRNAs como genes no genoma, com uma excepção: nenhum mRNA que contém o gene Orf1ab (gene da replicase) é produzido. Por sua vez, toda a cópia do RNA genómico é sintetizada, este RNA não é usado para a síntese proteica mas sim para o empacotamento para uma nova geração de viriões para servirem como seu material genético (23).

Assim, após infecção numa célula hospedeira adequada a extremidade 5’ da maioria das ORFs do genoma viral é traduzida numa grande poliproteína que é cortada por proteases virais para libertar várias proteínas não estruturais, incluindo a RNA dependente RNApolimerase (RdRp) e a adenosinatrifosfato (ATPase) helicase (Hel). Estas proteínas, por sua vez, são responsáveis pela replicação do genoma viral bem como os transcritos aninhados que são usados para a síntese de proteínas virais. O mecanismo pelo o qual estes mRNAs subgenómicos são feitos não está completamente compreendido. Embora, investigações recentes indiquem que as sequências reguladoras da transcrição (TRSs – Transcription-Regulating Sequences) na extremidade 5´de cada gene representem sinais que regulam a transcrição descontínua do mRNA subgenómico. (28)

 

A expressão das proteínas do coronavírus começa com a tradução de duas poliproteínas: pp1a e pp1ab com comprimentos de aproximadamente 4000 e 7000 aminoácidos respectivamente. Estas poliproteínas sofrem um processo proteolítico onde interferem pelo menos 4 enzimas chave:

*      Polimerase RNA dependente (RdRp)

*      Proteinase (3 CLpro)

*      Proteinase (PLP)

*      Helicase (1)

 

O complexo replicase é usado para transcrever a extremidade 3´ do mRNA subgenómico, tal como RNA genómico, que possui um 5´ comum à sequência “leader” derivada da 5´ do fim do genoma. Enquanto o actual mecanismo da síntese de mRNA não é bem compreendido, acredita-se que a cadeia negativa subgenómica mRNA serve como template para o mRNA. Esta replicase continua com a transcrição descontínua na fusão do corpo e lidera as sequências nos RNAs subgenómicos e também durante os eventos da recombinação que ocorrem frequentemente durante a replicação dos coronavírus (1).

TOP

Sinal de empacotamento

O estudo por Fosmire et al. demonstrou que é necessário um sinal para que ocorra o empacotamento de RNA, embora não se tenha determinado se a presença deste sinal é suficiente para permitir este processo (23).

 

Noutro estudo realizado em 1997 por Molenkamp and Spaan, verificou-se que a proteína da nucleocápside - N interagia especificamente com a sequência sinal. Foi descoberto que a proteína N interage com a proteína M sem estar glicosilada no compartimento pré-Golgi das células infectadas e que esta interacção não pode ser estabelecida na ausência de RNA, para além disso, descobriu-se que esta interacção M-N ocorria na ausência de proteínas S e E (23).

Pelos estudos que têm sido efectuados, verificou-se que a proteína N liga-se igualmente bem a todos os RNAs, enquanto que a proteína M liga-se unicamente a RNAs que contêm o sinal de empacotamento. Deste modo, só os RNAs que interagem com a proteína M são empacotados eficientemente em partículas virais. O sinal de empacotamento medeia a interação entre a proteína M e RNA genómico e causa o empacotamento selectivo do RNA genómico em viriões. Esta é uma descoberta surpreendente, pois em nenhum vírus a RNA se conhece um mecanismo de empacotamento em que isto ocorre. Em todos os outros vírus a RNA conhecidos, a proteína N ou proteína da cápside é necessária para o empacotamento de RNA. A proteína M é assim a primeira proteína transmembranar encontrada que se liga a um elemento de RNA viral específico na ausência de outras proteínas virais (23).

 

Os novos viriões são montados por budding através de membranas intracelulares e são libertados das células provavelmente através das vesículas por mecanismos de secreção da célula (1).

TOP

Cronologia da SARS

(11, 12, 13,15, 16 e 37)

 

*      2002

16 Novembro

O primeiro caso conhecido ocorre em Foshan City, na Província de Guangdong, China, mas só é identificado muito tempo depois.

 

*      2003

 

11 Fevereiro

O Ministério da Saúde da República Popular da China informa oficialmente a WHO da ocorrência de uma síndrome respiratória aguda em 300 pessoas distribuídas por seis municípios da Província de Guangdong, sendo 5 o número de mortes registadas.

 

12 Fevereiro

As análises de laboratório são negativas para vírus Influenza.

 

Alguns dias depois, peritos chineses atribuem este surto à infecção por um agente do género Chlamydia, enquanto que outros sugerem que a causa é viral.

 

28 Fevereiro

A síndrome respiratória aguda é reconhecida pela primeira vez em Hanoi, pelo Dr. Carlo Urbani.

 

11 Março

O Ministério da Saúde da República Popular da China pede à WHO apoio técnico e de laboratório a fim de esclarecer a causa da epidemia de pneumonia atípica severa registada na província de Guangdong.

 

12 Março

A WHO lança um alerta mundial acerca da disseminação de casos de pneumonia atípica severa, com possíveis surtos (ainda para serem confirmados) no Vietname, Hong Kong Special Administrative Region of China (SAR) e Guangdong (Cantão, China).

 

15 Março

A WHO emite recomendações de viagem como resultado de evidências crescentes, provenientes de análises epidemiológicas, da pneumonia atípica severa se estar a espalhar via área ao longo das rotas internacionais.

A WHO denomina esta doença misteriosa de Severe Acute Respiratory Syndrome (SARS) e declara-a como uma ameaça de saúde mundial.

 

17 Março

Seguindo o modelo já existente da Rede de Influenza, a WHO cria uma Rede de 11 laboratórios em 10 países, onde virologistas, médicos e epidemiologistas trabalham colectivamente, partilhando e discutindo toda a informação. Os laboratórios foram escolhidos com base em três critérios: conhecimento científico elevado, facilidades em trabalhar a um Nível de Segurança 3 e capacidade para contribuir para os testes e experimentações necessários para testar os quatro Pressupostos de Koch na identificação do agente infeccioso causador da SARS.

 

18 Março

Os casos de SARS são relatados em oito locais: Canadá, Alemanha, Província de Taiwan (China), Hong Kong SAR, Tailândia, Vietnam, Singapura e Reino Unido.

 

19 Março

Registam-se fortes indícios de causa viral, depois de, em dois centros de investigação (Hong Kong e Alemanha), terem sido identificadas partículas de vírus, provavelmente da família Paramyxoviridae.

 

20 Março

Os E.U.A. reportam os seus primeiros casos.

A WHO estabelece uma segunda rede cooperativa de médicos para o diagnóstico e tratamento da SARS. Esta rede coloca em contacto, por meio de duas teleconferências por dia, médicos dos países mais afectados da Ásia, da Europa e da América do Norte.

 

21 Março

Investigadores canadianos sugerem que o agente causador da SARS é um Metapneumovírus (família Paramyxoviridae). No entanto, os cientistas ainda não podem dar certezas sobre a identidade do vírus, uma vez que este pode até mesmo ser um novo membro da família Paramyxoviridae.

Itália e República da Irlanda reportam o seu primeiro caso.

 

22 Março

Uma equipa de cientistas do Departamento de Microbiologia da Universidade de Hong Kong anuncia o primeiro teste de diagnóstico “hand-made”, que permite detectar a presença de anticorpos neutralizantes, e o isolamento do vírus causador da SARS a partir do tecido pulmonar de dois doentes falecidos na Província de Guangdong.

 

24 Março

O Ministério da Saúde em Singapura anuncia medidas de quarentena, pelo que todas as pessoas que estabeleceram contacto com doentes de SARS devem permanecer em casa por um período de 10 dias.

Investigadores do CDC colocam a hipótese de um novo Coronavírus poder ser a causa da SARS.

 

25 Março

A WHO discute a hipótese da SARS poder resultar de uma infecção viral mista: possivelmente um novo Coronavírus associado a um novo Paramixovírus.

 

26 Março

A primeira partilha de informação relativa a sintomas, diagnóstico e gestão da SARS é realizada, colocando em contacto 80 médicos de 13 países.

A equipa da WHO presente na China revê os critérios de definição de caso usados durante a epidemia de pneumonia atípica em Guangdong e conclui que os casos representam muito provavelmente casos de SARS.

 

27 Março

Cientistas da rede de laboratórios da WHO relatam um grande progresso na identificação do agente causal da SARS, sendo vários os laboratórios que apontam consistentemente para um novo membro da família dos Coronavírus.

A WHO recomenda novas medidas de controlo para prevenir a propagação da SARS através de viagens internacionais, assumindo a necessidade de manter a emissão de relatórios sobre as Áreas Afectadas em permanente revisão.

 

28 Março

Dois laboratórios na China integram a rede de trabalho da WHO, que passa então a ser constituída por 13 laboratórios de 11 países.

É reconhecido que os surtos em toda a Ásia se encontram relacionados com os casos identificados na Província de Guagdong, em Novembro de 2002.

Algumas companhias aéreas, em áreas afectadas, começam a examinar passageiros internacionais, que vão sair destas mesmas áreas, através de screening. Este consiste numa entrevista com os passageiros a fim de detectar sintomas que façam suspeitar que aquele passageiro possa estar infectado com SARS.

 

31 Março

O Departamento de Saúde de Hong Kong ordena medidas de isolamento sem precedentes nesta epidemia.

 

1 Abril

A Austrália relata o seu primeiro caso.

 

2 Abril

A WHO considera que os focos de Guangdong e Hong Kong SAR têm características epidemiológicas singulares e graves, pelo facto de haver suspeitas de transmissão ambiental, para além da transmissão em cadeia já descrita. Dadas estas circunstâncias, lança um alerta aconselhando o adiamento das viagens não essenciais para estas duas áreas. Este foi o alerta mais rigoroso em termos de viagens alguma vez lançado pela WHO nos seus 55 anos de história.

 

4 Abril

A China começa a fazer o registo electrónico diário de casos e mortes, por cada província.

 

10 Abril

As autoridades de saúde em Hong Kong anunciam que todos os indivíduos que tenham contactado com doentes infectados com SARS devem permanecer em casa por um período de 10 dias. Esta medida foi tomada com o intuito de facilitar a detecção precoce e o tratamento dos casos de SARS, bem como para reduzir o risco mínimo de transmissão.

 

11 Abril

África do Sul reporta o seu primeiro caso, encontrando-se agora a SARS presente em quatro continentes.

O único caso suspeito da SARS notificado em Portugal desenvolveu febre e sintomas respiratórios, mas não chegou a evoluir para pneumonia, tendo-se curado e tido alta hospitalar, depois do período de isolamento recomendado.

 

14 Abril

A WHO anuncia que cientistas canadianos completaram a caracterização do genoma do vírus da SARS e que o CDC desenvolveu um teste de biologia molecular (PCR) dez vezes mais sensível que os anteriores testes de PCR para este vírus.

Indonésia, Filipinas e Suécia reportam os seus primeiros casos

 

16 Abril

Exactamente um mês após a sua formação, a rede de laboratórios da WHO anuncia a identificação do agente causador da SARS: um novo vírus da família dos Coronavírus (SARS-CoV), nunca antes encontrado em humanos ou animais. A WHO e a sua rede de laboratórios dedica esta identicação e caracterização ao Dr. Carlo Urbani, o primeiro cientista da WHO a alertar o mundo para a existência da SARS, em Hanoi, e o qual morreu desta mesma doença em Bangkok a 29 de Março de 2003.

 

17 Abril

Austrália e Mongólia reportam os seus primeiros casos.

 

22 Abril

A SARS está a atingir novas Províncias da China, incluindo Guangxi, Gansu e Mongólia Interior.

 

23 Abril

A WHO aconselha o adiamento de viagens não essenciais para as Províncias de Beijing e Shanxi na China e de Toronto no Canadá. Esta recomendação corresponde ao alargamento das emitidas em 2 de Abril e justifica-se pela magnitude da epidemia nestes locais, não só em termos do número de casos prevalentes, como também do número diário de novos casos. Após um período de 3 semanas esta recomendação deverá ser revista.

 

25 Abril

Os surtos epidémicos em Hanoi, Hong Kong SAR, Singapura e Toronto mostram sinais de pico.

 

28 Abril

Vietnam é removido da lista de áreas com transmissão local recente, tornando-se o primeiro país a controlar a epidemia. Esta remoção é feita quando tiverem passado 20 dias (dobro do período de incubação máximo) desde que o último caso adquirido localmente foi isolado ou morreu, uma vez que quando isso ocorre significa que a corrente de transmissão foi quebrada. (Nota: este período foi recentemente aumentado para 28 dias).

O número cumulativo de casos de SARS ultrapassa os 5000.

 

30 Abril

A WHO retira o aconselhamento de adiar as viagens para Toronto. Esta decisão foi baseada em vários critérios, como é o caso do número de casos activos, do número de novos casos diários, de padrões de transmissão local e da evidência que os casos já não se encontram a ser exportados para nenhum outro local.

 

6 Maio

O número de novos casos por dia adquiriu uma descida estável, o que significa que a epidemia da SARS já atingiu o seu pico.

 

8 Maio

As recomendações em termos de adiamento de viagens não essenciais estendem-se para Tianjin, Mongólia Interior e Taipei (Taiwan), China.

 

14 Maio

Toronto é removido da lista de áreas com recente transmissão local.

 

17 Maio

As recomendações em termos de adiamento de viagens não essenciais estendem-se para a Província de Hebei, China.

 

21 Maio

As recomendações em termos de adiamento de viagens não essenciais estendem-se para toda a Província de Taiwan.

 

23 Maio

A WHO retira o aconselhamento de adiar as viagens para Hong Kong SAR e Guangdong.

As equipas de pesquisa em Hong Kong anunciam a detecção da presença de vírus semelhantes ao causador da SARS em dois animais selvagens.

 

26 Maio

Toronto volta a fazer parte da lista de áreas com recente transmissão local.

 

31 Maio

Singapura é removida da lista de áreas com recente transmissão local.

 

13 Junho

A WHO retira o aconselhamento de adiar as viagens para as seguintes Províncias da China: Hebei, Mongólia Interior, Shanxi e Tianjin.

As seguintes Províncias da China, Hebei, Hubei, Mongólia Interior, Jilin, Jiangsu, Shanxi e Tianjin são removidas da lista de áreas com recente transmissão local.

 

23 Junho

Hong Kong SAR é removido da lista de áreas com recente transmissão local.

 

24 Junho

A WHO retira o aconselhamento de adiar as viagens não essenciais para Beijing, a última área para o qual o faltava fazer, sendo também esta província removida da lista de áreas com recente transmissão local.

 

2 Julho

Toronto é removido da lista de áreas com recente transmissão local.

 

5 Julho

Taiwan, a última área com transmissão local recente, é removida da lista. O facto de ter sido a última justifica-se por as medidas de controlo iniciais terem sido apenas sub-óptimas, o que possibilitou o desenvolvimento de um surto epidémico maior na comunidade.

A WHO declara que a epidemia de SARS se encontra controlada por todo o mundo.

 

*      Desde 5 de Julho até aos dias de hoje…

 

Registaram-se quatro ocasiões de reaparecimento da SARS. Três delas foram devidas a falhas em termos de segurança laboratorial (Singapura, Taipei e Beijing) e resultaram em um ou mais casos de SARS. Felizmente apenas um destes casos resultou numa transmissão secundária para fora do laboratório. O quarto incidente, decorrido na Província de Guangdong, resultou em quatro casos esporádicos na comunidade, três dos quais se considera terem resultado de exposição a um animal ou então terem tido uma origem ambiental, enquanto que para o outro caso não se sabe a origem de exposição ao vírus.

TOP

Etiologia

O agente causador da Síndroma Respiratória Aguda (SRA) é um novo vírus da família Coronaviridae, nunca antes encontrado em humanos ou animais, sendo actualmente classificado de SARS-CoV.

 

Epidemiologia da SARS

A dispersão internacional de SARS-CoV resultou em 8098 casos de SARS, em 26 países, e em 774 mortes, tendo o pico sido atingido entre finais de Março e princípios de Abril de 2003.(15)

 

Figura 7 - Casos prováveis de SARS em todo o Mundo, por semana, desde 1 de Novembro de 2002 a 10 de Julho de 2003. (Fonte: 40)

Nota: Este gráfico não inclui 2,527 casos prováveis de SARS pelo facto das suas datas de aparecimento dos sintomas ainda não estarem disponíveis na altura.

TOP

O maior surto epidémico ocorreu em Mainland China com 5327 casos e 348 mortes, seguindo-se Hong Kong com 1755 casos e 298 mortes, pertencendo o terceiro lugar a Taiwan, com 674 casos e 84 mortes. (15)

 

Pressupostos de Koch

Para a identificação de um agente infeccioso como causa de uma doença específica é sempre necessário satisfazer os Pressupostos de Koch. Nestes, para ser identificado como agente causal, o patogénio deve satisfazer quatro condições: ser encontrado em todos os casos da doença; ser isolado do hospedeiro e crescer em cultura pura; reproduzir a doença original quando introduzido num hospedeiro susceptível; e ser encontrado num hospedeiro experimental também infectado.

Para testar estes pressupostos e provar que o SARS-CoV é o agente etiológico da SARS infectaram-se oralmente macacos cynomolgus (Macaca fascicularis). Dois dos macacos ficaram doentes e excretaram vírus pelo nariz e pela garganta, facto este demonstrado por isolamento viral e por um RT-PCR, realizados durante os dias 2 a 6 após a inoculação. Dois outros macacos demonstraram seroconversão através de uma influorescência indirecta realizada 16 dias após inoculação.(17)

Os quatro pressupostos de Koch foram cumpridos pelo SARS-CoV, uma vez que: foi possível isolar consistentemente este vírus de doentes com SARS; após o isolar de um doente conseguiu-se que crescesse em cultura pura; conseguiu-se igualmente reproduzir a SARS em primatas não humanos (Macaca fascicularis) após inoculação; e, por fim, conseguiu-se identificar uma resposta imunitária humoral específica contra o SARS-CoV, quer nos doentes quer nos primatas infectados experimentalmente. (38)

Uma vez cumpridos os pressupostos foi então possível a identificação conclusiva do

SARS-CoV como agente causal da SARS. (15)

 

 

Figura 8 - Macaca fascicularis (Fonte: 42)

 

Figura 9 - Microscopia electrónica de SARS-CoV inoculado (A e B) e amostras de tecidos de Macaca fascicularis infectados experimentalmente (C e D) (Fonte:42)

TOP

Fonte da Epidemia

As investigações realizadas apontam como fonte para todos os surtos epidémicos que ocorreram, o contacto com um médico, visitante da Província de Guangdong, no Hotel Metropole em Hong Kong. (13)

 

Eventos de “Superspreading”

Um acontecimento de “superspreading” ocorre quando um único caso fonte infecta um grande número de pessoas. Ainda permanece por esclarecer se estes acontecimentos são devidos ao caso fonte excretar uma quantidade enorme de material infeccioso ou então a um outro factor envolvido neste fenómeno, presente por exemplo no ambiente, que amplificaria a transmissão numa fase chave da excreção dos vírus. (15)

Foram vários os acontecimentos de “superspreading” que ocorreram e que contribuíram em larga escala para a dispersão da SARS. No entanto, neste trabalho vão-se apenas focar dois dos mais importantes, tendo ambos ocorrido em Hong Kong: o caso do Hotel Metropole e o caso do Complexo de Apartamentos Amoy Gardens.

 

Hotel Metropole (11)

No dia 21 de Fevereiro de 2003, um médico da Universidade Zhongshan em Guangzhou (Província de Guangdong), chega a Hong Kong para um casamento e fica hospedado no nono andar do Hotel Metropole (quarto 911). Embora com sintomas respiratórios desde há cinco dias (dia 15), sente-se suficientemente bem para passear com o seu cunhado, que reside em Hong Kong. No dia a seguir é hospitalizado no Hospital Kwong Wah em Hong Kong com muitas dificuldades respiratórias, avisando o pessoal médico que teme ter contraído uma doença muito virulenta, uma vez que tinha tratado pacientes com pneumonia atípica em Guagdong. Morre no dia 4 de Março, 16 dias após ter desenvolvido os sintomas.

Após um estudo foi possível verificar como este único caso esteve na origem da epidemia da SARS por todo o mundo. Registaram-se seis casos directamente relacionados com ele: o seu cunhado; uma turista de 78 anos de Toronto; um homem de 26 anos de Hong Kong; um homem de negócios chinês de 48 anos de Hanoi; uma mulher de 26 anos de Singapura; e um caso de três mulheres jovens também de Singapura. O seu cunhado, após ter sido hospitalizado uma primeira vez e tido alta, volta dia 1 de Março a ser novamente hospitalizado, no Hospital Kwong Wah em Hong Kong, acabando por morrer dia 19 de Março. No que respeita à turista de Toronto, sabe-se que teve hospedada no Hotel Metropole, de onde saiu no dia 23 de Fevereiro a fim de regressar a casa. Acabou por morrer no dia 5 de Março, descobrindo-se que cinco membros da sua família também se encontram infectados com síndrome respiratória aguda. No dia 25, deste mesmo mês, o hospital onde a turista faleceu e os seus familiares se encontram, Hospital Scarborough Grace, é fechado para novos doentes e visitas. Relativamente ao terceiro caso, o qual desenvolveu uma infecção do tracto respiratório mas não procurou apoio médico, sabe-se que de 15 a 23 de Fevereiro visitou uma pessoa amiga que se encontrava hospedada no nono andar do Hotel Metropole. Do homem de negócios chinês, admitido no Hospital French em Hanoi no dia 26 de Fevereiro, é sabido que antes da sua chegada a Hanoi esteve em Hong Kong, onde ficou hospedado no nono andar do Hotel Metropole, no quarto mesmo ao lado do do médico universitário. Em Hanoi é atendido por um oficial da WHO, Dr. Carlo Urbani, que alarmado por esta doença leva a que o estado de alerta da WHO seja aumentado (Dr. Carlo Urbani foi o primeiro profissional da WHO a identificar o surto desta nova doença). Posteriormente, é transportado por helicóptero  para o Hospital Princess Margaret em Hong Kong, onde acaba por falecer. Embora nenhum caso entre os profissionais de saúde deste hospital fosse registado, sabe-se que este doente transmitiu a doença a sete profissionais ainda em Hanoi. 14 dias após ter começado a tratar deste doente, o Dr. Carlo Urbani, é hospitalizado, acabando por morrer. Por fim, acerca dos dois últimos casos, sabe-se somente que as quatro mulheres em causa estiveram hospedadas no nono andar do Hotel Metropole em finais de Fevereiro.

TOP

Amoy Gardens

No dia 30 de Março de 2003, as autoridades de saúde em Hong Kong anunciaram que 213 residentes do Amoy Gardens já se encontravam hospitalizados e que, desde total, 107 habitavam no Bloco E. No dia seguinte é anunciado pelo Departamento de Saúde de Hong Kong que os residentes do bloco E do Amoy Garden devem manter-se em isolamento, nos seus apartamentos, até 9 de Abril. O número de casos relacionados com este complexo, que continua a crescer, sugere fortemente que em Hong Kong a doença já se alastrou para fora do seu foco inicial (hospital), com casos secundários e muito provavelmente também terciários a ocorrer. Este caso foi identificado como o maior cluster de Hong Kong. (11)

Após investigações profundas, o caso índex deste acontecimento é identificado: um homem de 33 anos que visitava o seu irmão regularmente no Bloco E deste complexo de apartamentos. Sofrendo de uma doença crónica renal, foi tratado no Hospital Prince of Wales, o epicentro inicial do surto de Hong Kong e onde muito provavelmente terá contraído a doença. Como tinha diarreia utilizava muitas vezes a casa de banho no apartamento do seu irmão. Excretando os vírus através da diarreia, à medida que ia utilizando a casa de banho, uma quantidade suficiente de partículas virais começou a formar-se no sistema de esgoto. O facto dos orifícios existentes no chão da casa de banho, quando secos, permitirem que partículas contaminantes provenientes do esgoto entrem nos vários apartamentos, possibilitou que os vírus fossem aerolizados dentro das casas de banho muito pequenas e pudessem então ser inalados, ingeridos por outros indivíduos.(17) Toda esta explicação avançada é apoiada pelo facto de 66% dos doentes de Amoy Gardens apresentarem diarreia ( em outros clusters a percenagem varia entre os 2 e os 7% dos casos) e pelo facto da maioria dos doentes do Bloco E viverem em apartamentos conectados verticalmente. (11) A dispersão via contacto pessoa a pessoa contribuiu para a propagação da doença nos outros blocos do complexo.(17) Testes negativos para o SARS-CoV em animais parecem afastar a hipótese de propagação do vírus através de baratas ou roedores. (11)

 

Figura 10 – Esquema do Bloco E do Complexo de Apartamentos Amoy Gardens, com os respectivos principais doentes relatados (Fonte: 43)

 

Transmissão

*      Modo de Transmissão

O modo de transmissão mais importante parece ser o contacto directo de membranas mucosas, como olhos, nariz e boca, com gotículas respiratórias infecciosas expelidas através da tosse ou do espirro. 

O papel da transmissão oral-fecal é ainda desconhecido, não existindo qualquer evidência que este tipo de transmissão desempenhe um papel chave na transmissão da SARS.

A transmissão da SARS no Hotel Metropole e no complexo de apartamentos Amoy Gardens tem sido atribuída em parte a uma contaminação ambiental, com um possível vector animal a contribuir para a dispersão do vírus no surto em Amoy Gardens.  (17)

O risco de transmissão do SARS-CoV através de transfusão sanguínea é praticamente apenas teórico, visto que foi detectada uma baixa virémia até aproximadamente 10 dias após o início dos sintomas. (15)

Dentro de determinadas circunstâncias, como serviços de saúde ou outros ambientes fechados, a contaminação de objectos inanimados por secreções respiratórias infecciosas ou outros fluidos corporais, como saliva, lágrimas, urina e fezes (que já se descobriu que também contém partículas virais), desempenha ocasionalmente um papel na transmissão da doença. (17)

Foi extremamente importante a descoberta que foi feita que apenas as pessoas com sintomas são contagiosas e podem transmitir a doença, e que é ainda necessário um contacto próximo para que esta transmissão possa ocorrer. A possibilidade de transmissão é mais elevada se o contacto for realizado com os casos mais graves da doença e com os casos onde se observa uma rápida deterioração clínica.  (15)

TOP

*      Padrão de Transmissão

Os casos ocorreram primeiramente em indivíduos que estabeleceram contactos muito próximos com doentes com SARS, quer em serviços hospitalares quer em casa. A transmissão posterior para contactos sociais e contactos casuais ocorreu como resultado de uma intensa exposição a um caso de SARS quer em locais de trabalho, aviões ou táxis quer em locais com elevado risco de transmissão, como serviços de saúde e o lar.

 

*      Transmissão aérea

Em termos de transmissão aérea, cinco vôos internacionais foram associados com a transmissão de SARS a partir de casos prováveis sintomáticos a passageiros ou tripulação. Um destes vôos (denominado vôo C) constitui um evento de “superspreading”, cujo caso fonte foi um homem de 72 anos que tinha visitado um conhecido no Hospital Prince of Wales em Hong Kong, e que resultou num cluster de 24 casos prováveis. (17)

É sabido que, nos aviões, pessoas sentadas sete filas à frente e cinco filas atrás de uma pessoa sintomática com SARS, desenvolvem a doença.(15)

 

*      Transmissão em Crianças e em Mulheres Grávidas

Registaram-se apenas dois casos de transmissão de crianças a adultos, não havendo mesmo qualquer registo de transmissão de uma criança a outra. Em termos de gravidez, não há registo de nenhuma transmissão vertical de SARS ocorrida, não tendo sido também encontrado qualquer vírus no cordão umbilical, em todos os casos estudados.(17)

 

*      Reproduction number

Este é um indicador importante em termos de transmissão da doença, existindo dois tipos diferentes, os quais variam unicamente em termos da presença ou ausência de medidas de controlo:

 

1.      Basic reproduction number (RO)

Corresponde ao número médio de casos de infecções secundárias produzidas por um único caso infeccioso, determinando deste modo o potencial de um surto epidémico numa população toda ela susceptível e na ausência de medidas de controlo específicas.

Estudos observacionais indicam que o Ro para o SARS-Cov se situa entre 2 e 4, apresentando portanto um valor mais baixo que outras infecções respiratórias, pelo que é mais susceptível a medidas de controlo.(17)

TOP

2.      Effective reproduction number (Rt)

Determina o potencial de um surto epidémico ao tempo t na presença de medidas de controlo.

Um valor inferior a 1 significa que a epidemia está a ser controlada. (17)

 

Fase

Situação Epidemiológica

0

Não há evidência de transmissão de SARS-CoV a humanos por todo o mundo

1

Casos esporádicos de SARS ou uma fonte comum de transmissão que não resulta em casos secundários

2

Transmissão entre humanos confirmada, sendo a magnitude do surto epidémico definida pelos dois níveis desta fase

2, nível 1

Correntes de transmissão apenas numa área

2, nível 2

Correntes de transmissão em duas ou mais áreas, mas sem qualquer evidência de dispersão internacional

3

Dispersão internacional

4

Diminuição lenta da epidemia

5

Interrupção global da transmissão de SARS-CoV

Tabela 1 - Fases sequenciais que podem ser vistas num surto epidémico de SARS. (Fonte: 16)

TOP

Medidas de Controlo

Na ausência de uma vacina, o método encontrado mais eficiente para controlar a SARS foi quebrar a corrente de transmissão de pessoas infectadas para pessoas saudáveis. Para tal foram adoptadas três actividades, que datam dos primeiros dias da microbiologia: detecção de casos, isolamento ou quarentena e registo dos contactos. A detecção procura identificar casos de SARS o mais cedo possível do aparecimento dos sintomas. Uma vez estando os casos identificados, o próximo passo é garantir o seu rápido isolamento, de acordo com procedimentos estritos de controlo de infecção. A terceira actividade consiste em identificar todos os contactos próximos estabelecidos por cada caso e segui-los atentamente, efectuando-lhes testes médicos diários e possível isolamento em casa (quarentena). Em conjunto, estas três actividades permitem reduzir o número de contactos diários possíveis para cada caso infeccioso potencial, permitindo igualmente reduzir o tempo compreendido entre o aparecimento da doença e o isolamento, o que, por sua vez, possibilita a diminuição da probabilidade do vírus se espalhar a outros indivíduos. (15)

O sucesso da adopção destas três actividades permite admitir que, embora este novo coronavírus seja suficientemente transmissível para causar uma vasta epidemia, não é tão contagioso que não possa ser controlado com medidas básicas de saúde pública. (20)

A adopção das recomendações em termos de viagens, emitidas pela WHO no dia 15 de Março, marcou um ponto de viragem no desenvolvimento inicial deste surto epidémico. Isto é demonstrado pelo facto de ter sido nas áreas onde já se tinham detectado casos antes dessas recomendações terem sido feitas (Vietnam, Hong Kong, Singapura e Toronto) que se registaram os maiores e mais severos surtos, todas eles caracterizados por correntes de transmissão secundária estabelecidas fora do foco inicial dos hospitais. Após as recomendações terem sido lançadas, todos os países com casos importados, com excepção de províncias na China, foram capazes de, através de uma rápida detecção de casos e isolamento de doentes, prevenir transmissões futuras e manter o número de casos adicionais em níveis muito baixos.

É importante referir que o trabalho realizado pelos 13 laboratórios pertencentes à Rede montada pela WHO foi fulcral para o sucesso na identificação e controlo desta nova doença. Ligados electronicamente, estes laboratórios partilharam sempre toda a informação, o que permitiu um avanço tão rápido. As teleconferências e e-mails diários de epidemiologistas permitiram refinar as definições de caso, confirmar os modos de transmissão, identificar casos exportados e aumentar o conhecimento sobre quais as melhores medidas de controlo para cada área afectada. (13)

 

Período de incubação

O período de incubação médio foi de 5 dias, tendo variado entre 2 a 10 dias. No entanto, em casos pontuais registaram-se períodos de incubação mais longos. (5) O período máximo de incubação (10 dias) permite então que a doença se espalhe através das rotas aéreas internacionais, colocando qualquer país com um aeroporto internacional em risco através de casos importados.

A determinação desde período é tão importante pois o seu valor constitui a base para muitas acções de controlo, incluindo registo dos contactos e duração do período de isolamento dos contactos com possíveis casos de SARS. Para além disso, o conhecimento do período de incubação pode também ajudar os médicos a tomar decisões acerca se os sintomas e a história clínica do doente apontam para a SARS ou para outra doença.

A forma mais rigorosa de calcular este período é baseando-se num estudo de casos que apenas tiveram uma única exposição documentada a um caso conhecido de SARS. (13)

TOP

Período de infecção

Ao contrário de muitas outras doenças virais, em que as maiores quantidades de vírus são excretadas durante a fase inicial da doença, usualmente nos primeiros dias após o aparecimento dos sintomas, o SARS-CoV apresenta um padrão diferente. Durante a fase inicial a quantidade de vírus excretados é relativamente pequena, atingindo o seu máximo, não só a nível das gotículas respiratórias mas também a nível das fezes, por volta do 10º dia após o aparecimento dos sintomas.  Posteriormente, a quantidade de vírus decresce, apresentando uma típica curva em “V” invertido. Mesmo já após o período de convalescença, há ainda a possibilidade de uma fase mais ou menos prolongada de excreção do vírus através das fezes, com possibilidade de transmissão de infecção por vírus.

Foi este comportamento não usual do SARS-CoV que criou a necessidade de um teste de elevada sensibilidade que fosse capaz de, apesar das pequenas quantidades, detectar os vírus ou então o seu material genético nas primeiras fases da doença. (15)

 

Case fatality ratio

Mede a proporção de indivíduos que, com a doença, irão morrer devido à doença, ou seja, mede a probabilidade da doença matar o seu hospedeiro. Daí ser um tão grande indicador da severidade da doença e da sua importância como problema de saúde pública. O seu valor pode, por sua vez, ser influenciado por outros factores relacionados com o próprio vírus, com a via de exposição e a dose de vírus, com factores pessoais, como a idade ou a presença de outra doença, e com o acesso rápido a cuidados médicos. No entanto, somente no final de uma epidemia é que o seu valor absoluto pode ser calculado.(15)

Após uma análise de dados provenientes do Canadá, China, Hong Kong, Singapura, Vietname e EUA, verificou-se que a letalidade dos casos da SARS variou entre os 0% e os 50%, conforme o grupo etário, tendo-se aceita uma letalidade global de 15%. (5)

Devido a este elevado valor de case fatality ratio (15%), o próprio vírus adoptou uma estratégia em que permite que as suas vítimas vivam o tempo suficiente para transmitir a doença  a outros. (15)

 

Idade (anos)

 

0-24

25-44

45-64

65-

% mortalidade

 

<1

6

15

>50

Tabela 2 -  Taxa de mortalidade devido a SARS,  por categoria de idades. (Fonte: 39)

TOP

Estabilidade e Resistência do SARS-CoV

Os vírus são estáveis nas fezes e na urina por pelo menos dois dias, a uma temperatura ambiente. No entanto, nas fezes dos doentes com diarreia é estável durante quatro dias, devido ao seu mais elevado pH quando comparado com o pH de fezes normais.

Em estudos realizados, conseguiu-se isolar o vírus de uma parede plastificada 36 horas depois, de uma superfície de plástico e de aço inoxidável após 72 horas e de um vidro após 96 horas.

            Estes resultados reforçam então a necessidade de lavagem de mãos frequente e de uma limpeza e de uma boa desinfecção nos hospitais que cuidam de casos de SARS.

Em termos de resistência, o vírus perde efectividade após exposição a desinfectantes e fixadores correntemente utilizados. Calor a 56ºC mata rapidamente aproximadamente 10 000 unidades de SARS-CoV por cada 15 minutos. (17)

 

A Doença na População

*      Níveis de Infecção

A maioria dos casos de infecção ocorreram em jovens adultos, sendo facilmente visível que este padrão reflecte a idade dos profissionais de saúde, dos membros das suas famílias e dos seus contactos sociais, e dos passageiros internacionais.(15) Há também uma ligeira predominância para a infecção de mulheres, tanto mais evidente quanto maior é o número de enfermeiras infectadas (37).

As crianças pareceram ser menos afectadas pela doença, com menor número de casos, estimando-se que as crianças com menos de 18 anos de idade representam somente 5% do total.

 

*      Severidade da Infecção

As crianças pequenas apresentam um nível de doença não muito severo, mais próximo do médio, sendo a sua recuperação geralmente boa. Uma pequena proporção de jovens adolescentes podem, no entanto, desenvolver uma doença mais severa, aproximando-se mais da doença verificada nos adultos. (37) 

 

Animais como reservatórios de SARS-CoV

Vários estudos foram efectuados no sentido de verificar se existe ou não um reservatório animal para o SARS-CoV e, em caso afirmativo, qual esse reservatório. Estes estudos iniciaram-se pelo facto de mais de um terço dos primeiros casos de SARS registados, na Província de Guangdong, terem sido pessoas que mexiam, matavam e vendiam animais, ou então que preparavam e serviam comida.(17)

 

*      Animais domésticos

Animais de estimação que habitam no complexo Amoy Gardens revelaram resultados positivos para SARS-CoV em um ou mais ensaios. Muito provavelmente estes animais terão ficado infectados após exposição a um elevado nível de contaminação nos blocos E ou C.

 

*      Animais selvagens

Um estudo desenvolvido a animais selvagens, que são encarados como alimento exótico no Sul da China (21) e cada vez mais procurados devido ao crescimento económico(29), demonstrou a presença de coronavírus geneticamente muito próximos do SARS-CoV em duas espécies de animais testadas – masked palm civet (Paguma larvata) e racoon-dog (Nyctereutes procyonoides). O estudo demonstrou igualmente que uma espécie adicional – Chinese ferret badger (Melogale moschata) produz anticorpos contra o vírus. (15)

 

Figura 11-Chinese ferret badger (Fonte: 41)

Figura 12 - masked palm civet (Fonte: 41)

Figura 13 - racoon-dog (Fonte: 41)

TOP

A sequênciação de vírus isolados a partir destes animais demonstra que, com excepção de uma pequena sequência adicional de 29 nucleótidos, os vírus são idênticos com o SARS-CoV que infecta os humanos. (21)

Recente comparação de genomas de humanos e animais isolados com SARS-CoV indicou que existem 10 diferenças de aminoácidos entre as suas proteínas spike, o que evidencia diferenças nas propriedades biológicas. Neste sentido, é importante conhecer mais sobre as diferenças nas sequências das proteínas spike entre isolados animais e humanos e como estas controlam o tropismo das espécies. (1)

Actualmente, não há nenhuma evidência que sugira que estes animais selvagens desempenham um papel importante na epidemiologia da SARS, mas também não pode ser afastada a hipótese de eles poderem consistir numa fonte para infecção humana. Por este motivo, e como medida de precaução, decidiu-se avisar os indivíduos do risco de saúde que poderiam correr se tivessem estabelecido contacto com estas espécies ou com os seus produtos, incluindo fluidos corporais e excreções. (15)

Embora o masked palm civet seja o animal selvagem que mais vezes é associado com uma transmissão animal-homem, o facto de poder ele constituir o reservatório de SARS-CoV ainda permanece por comprovar. (16)

O pensamento actual, por sua vez, é que o masked palm civet, o racoon-dog e o Chinese ferret badger foram infectados por uma outra fonte animal, ainda desconhecida, sendo esta o verdadeiro reservatório do SARS-CoV na natureza. Este pensamento é apoiado pelas práticas culinárias no Sul da China, que permitem que estes animais de mercado possam ser hospedeiros de SARS-CoV e consequentemente possam fazer aumentar a oportunidade de transmissão da infecção a humanos. Futuras e extensivas vigilâncias nestes animais são fulcrais, a fim de melhor entender o reservatório animal na natureza e as espécies que possibilitam a transmissão e que levaram à origem da SARS. (21)

 

Mais recentemente, furões (Mustela furo) e gatos domésticos (Felis domesticus) foram experimentalmente infectados com SARS-CoV, tendo-se verificado que facilmente transmitem o vírus a outros animais que estejam em contacto com eles. Foi também recentemente descoberto que os genomas de vírus isolados de almiscareiros (carnívoro que habita na Ásia e África) apresentam sequências próximas dos vírus isolados em humanos.(16)

 

Categorias de risco para a emergência da SARS

Actualmente são consideradas 3 categorias:

1.      Emergência de vírus bastante relacionados com SARS-CoV, a partir de animais selvagens ou então de outros reservatórios animais;

2.      Emergência ou introdução de SARS-CoV a partir de laboratórios ou viagens internacionais;

3.      Emergência ou introdução de SARS-CoV em áreas onde nunca tenham sido identificados anteriormente casos de SARS e portanto onde há um pequeno risco de tal acontecer

 

Na segunda categoria, a presença dos laboratórios justifica-se por três dos quatro casos registados, após o surto ter sido dado como terminado, terem sido devido a falhas na segurança laboratorial. (15) Por este motivo, foi também reforçado como é extremamente importante assegurar que todos os laboratórios que se encontrem a trabalhar com SARS-CoV e com outros patogénios perigosos sigam os procedimentos correctos de segurança (Nível mínimo de Segurança 3) e que monitorização e investigação apropriada de doenças sejam levadas a cabo no laboratório.(16)

 

Vigilância

Devido ao facto de muitas questões científicas estarem ainda sem resposta, nomeadamente no que respeita à origem do vírus e à contribuição da contaminação ambiental para a transmissão, a WHO aconselhou um ano inteiro de vigilância a fim de determinar se a doença estabeleceu endemecidade e para garantir que nenhum caso se espalhou para países com pobres sistemas de vigilância e relato.

Caso a doença não se tenha tornado endémica, os próximos desafios consistirão nas questões de um possível reservatório animal e uma possível recorrência sazonal. Isto porque, não se pode deixar de parte a hipótese do SARS-CoV se encontrar escondido na natureza, apenas regressando quando as condições forem novamente favoráveis para uma dispersão eficiente da infecção no seu hospedeiro humano. (15)

TOP

Áreas Afectadas

No final do surto epidémico da SARS foram contabilizadas 31 Áreas Afectadas: (37)

 

Alemanha

Taiwan (China)

Kuwait

África do Sul

Colômbia

Malásia

Austrália

Federação Russa

Nova Zelândia

Brasil

Filipinas

Reino Unido

Canadá

Finlândia

Roménia

China (Mainland)

França

Singapura

Coreia

Indía

Suécia

Espanha

Indonésia

Suiça

Estados Unidos da América

Itália

Tailândia

Hong Kong (China)

Irlanda

Vietnam

Macau (China)

 

 

 

Figura 14 – Mapa de distribuição da SARS por todo o Mundo (Fonte:10)

TOP

Manifestações clínicas

Definições de casos de vigilância para SARS

Existem 4 definições de caso:

  1. “Preliminary Positive” – indivíduo com evidência clínica de SARS
  2. “Confirmed Case” – indivíduo com evidência clínica e epidemiológica para SARS e com uma evidência preliminar em termos de laboratório de infecção com SARS-CoV.
  3. “Probable Case” – indivíduo com evidência clínica de SARS epidemiologicamente ligado a um “preliminary positive” ou a um “confirmed” caso de SARS;  ou um caso “unverifiable” de SARS se epidemiologicamente ligado a um caso  “preliminary positive” ou a um “confirmed”.
  4. “Unverifiable Case” – indivíduo com evidência clínica de SARS, mas cujos resultados laboratoriais iniciais são negativos; ou um indivíduo falecido com uma história, enquanto vivo, de doença compatível com SARS e cuja autópsia revela resultados consistentes com a patologia de pneumonia, mas em quem o teste para SARS-CoV não foi realizado ou então foi mas está incompleto, ou então em quem nem autópsia nem testes laboratoriais foram realizados (16).

 

Quadro clínico

*      Características demográficas: predominantemente adultos dos 25 aos 70 anos, sendo escassos os casos suspeitos em crianças com idade inferior a 15 anos.

*      Período de incubação: geralmente 2 a 7 dias, podendo ir até aos 10 dias.

*      Sintomas prodrómicos: geralmente febre superior a 38ºC, associada frequentemente a arrepios e calafrios, cefaleias, mialgias e sintomas respiratórios ligeiros. Não se observam, em regra, rash cutâneo, alterações neurológicas ou gastrointestinais (apenas alguns doentes tiveram diarreia nos primeiros dias).

*      Fase respiratória: ao fim de 3 a 7 dias do início dos sintomas começam a manifestar-se sinais de afecção do trato respiratório inferior, com tosse seca ou dispneia que se pode acompanhar de, ou progredir para, hipoxemia. Em 10 a 20 % dos casos a insuficiência respiratória é grave, exigindo intubação e ventilação mecânica.

*      Radiografia do tórax: as radiografias podem ser normais no início ou mesmo em todo o curso da doença. Contudo, numa grande parte dos casos, após 3 a 7 dias do início dos sintomas, tornam-se evidentes, na radiografia, infiltrados focais dispersos, podendo confluir, dando lugar a infiltrados difusos, focos de pneumonia do espaço alveolar, únicos ou múltiplos, predominantemente numa ou ambas as bases, estendendo-se frequentemente aos andares médios. Os lobos superiores estão, geralmente, poupados. Em formas mais avançadas e graves podem aparecer áreas de consolidação parenquimatosa. A análise da casuística revela ausência de cavitação, derrame ou linfadenopatias nos padrões encontrados.

*      Dados laboratoriais: contagem de leucócitos normal ou baixa; frequentemente com linfopénia; pode apresentar-se com trombocitopénia moderada (50.000 a 150.000); elevação da creatininofosfoquinase (CPK); ligeira a moderada afecção hepática (transaminases aumentadas 2 a 6 vezes); a função renal habitualmente não é afectada.

*      Prognóstico: os principais factores de prognóstico têm sido: 1- evolução ou não para insuficiência respiratória aguda grave; 2- idade (> 40 anos); 3- existência ou não de patologias associadas (12).

TOP

História natural da doença

Primeira semana

O doente desenvolve sintomas semelhantes aos da síndroma gripal. Os sintomas incluem febre, mal-estar, mialgias, cefaleias e tremores. Não foram observados sintomas ou conjunto de sintomas específicos para a SRA. Se bem que uma história de febre seja geralmente o primeiro sintoma reportado, esta pode estar ausente na primeira avaliação clínica.

 

Segunda semana

Ainda que a tosse (inicialmente seca), dispneia e diarreia possam ocorrer durante a primeira semana, estes sintomas são mais frequentes na segunda semana da doença. Os casos graves progridem rapidamente, para situações de dificuldade respiratória e hipoxémia. Cerca de 20% destes doentes requerem assistência em unidades de cuidados intensivos. Um percentagem que pode ir até 70% dos doentes desenvolve diarreia caracterizada por emissão frequente de fezes líquidas e abundantes, sem sangue ou muco (9).

 

Situação clínica

*      Medidas muito restritas de controlo de infecção, tais como isolamento são recomendadas para todos os pacientes, o que sobrecarregou muitíssimo os serviços de saúde. Além de que, a proporção de pacientes que não recupera de uma forma espontânea necessita de cuidados intensivos (13).

*      Todos os métodos de diagnóstico disponíveis têm limitações, pelo que o diagnóstico assenta somente em examinação clínica, suportada por definições de caso que incluem a história das viagens efectuadas (13).

*      Os sintomas iniciais são não específicos e comuns (13).

*      A sobrecarga de SARS nos serviços de saúde foi de tal forma elevada que a detecção de outras doenças importantes falhou devido à concentração dos serviços em SARS (13).

*      O vírus SARS-CoV causa um espectro de doença que pode variar desde uma doença respiratória severa, pelo que lhe foi dado o seu nome, a médias ou atípicas apresentações (13).

*      Os sintomas clínicos e sinais de doença causada por SARS-CoV são não específicos. O processo de diagnose diferencial deve então incluir uma larga gama de patogéneos comuns respiratórios, incluindo vírus influenza, parainfluenza, RSV (Respiratory Syncitial Vírus), Haemophilus influenzae, Mycoplasma pneumoniae, Chlamydia species, Legionella species e Coxiella burnetii. Em adição, não há actualmente testes de laboratório que diagnostiquem de uma forma segura a SARS nos primeiros dias de doença. (16)

TOP

Métodos de Diagnóstico

Radiologia

Foi o primeiro método de diagnóstico a ser utilizado - Raios-X ao tórax.(16)

Apesar da ausência de sinais respiratórios, a maioria dos doentes revelou alterações pulmonares na radiografia ou tomografia do tórax ao terceiro ou quarto dias da doença. Estas alterações manifestam-se através de imagens de consolidações irregulares, podendo começar por uma lesão unilateral periférica a qual progride para lesões múltiplas ou com aspecto de vidro despolido. Algumas lesões seguem um padrão incerto. Em estádios mais avançados a doença pode manifestar-se por outras alterações tais como pneumotórax espontâneo, pneumomediastino, fibrose subpleural e/ou alterações quísticas. (9)

Estas características distintivas da SARS, fornecidas pela radiologia, permitiram distinguir casos suspeitos e casos prováveis. (16)

 

Figura 15 – Radiografia ao tórax de um doente com SARS (Fonte: 46)

TOP

Exames hematológicos e de bioquímica

Embora não existam parâmetros hematológicos ou bioquímicos característicos da SARS, estudos realizados revelaram algumas alterações presentes nos doentes com SARS. (9)

 

Testes de Diagnóstico Laboratorial

São três os testes que se encontram disponíveis: ELISA, IFA (Immunofluorescence assay) e PCR. No entanto, todos eles apresentam limitações como ferramentas para controlar o surto epidémico da SARS. A ELISA permite detectar a presença de anticorpos de uma forma segura, mas apenas após 20 dias o aparecimento dos sintomas, o que significa que não pode ser utilizada para detectar casos nas primeiras fases da infecção, quando o indivíduo ainda não é capaz de transmitir a doença a outros indivíduos. (15) Isto é devido ao facto dos anticorpos IgG apenas aparecerem por volta dos dias 7 a 10 após o aparecimento dos sintomas e, embora os anticorpos IgM apareçam tipicamente mais cedo, a sua detecção não permite um diagnóstico na fase inicial. (38) O ensaio de imunofluorescência, IFA, permite também detectar a presença de anticorpos mas aqui já a partir do 10º dia de infecção. No entanto, é um teste extremamente exigente e lento, uma vez que implica o crescimento do vírus em culturas de células. O PCR, por sua vez, é usado para a detecção do material genético viral a partir de vários tipos de espécimens, como sangue, fezes, excreções respiratórias e amostras de tecidos, sendo bastante útil para as primeiras fases da infecção. A sua limitação baseia-se no facto de produzir muitos resultados falsos-negativos, o que significa que muitas pessoas que podem transportar o vírus podem não ser detectadas. Este teste, portanto, embora muito específico, tem ainda falta de sensibilidade, mesmo após no dia 14 Abril se ter desenvolvido um teste dez vezes mais sensível que os anteriores testes de PCR para este vírus. Esta sua limitação faz com que os profissionais tenham falta de segurança nos seus resultados. (15)

A obtenção de um resultado positivo nestes testes, indica que a pessoa está, ou então que esteve recentemente, infectada com coronavírus. Mas, um resultado negativo não garante que a pessoa não esteja infectada com o vírus.(15) O resultado de um único teste é insuficiente para um diagnóstico definitivo da infecção por SARS-CoV, devido aos resultados falsos negativos e falsos positivos que se sabe que ocorrem.

A validade dos resultados destes três testes depende crucialmente do tipo de espécimens recolhidos (ex: excreções nasofaríngicas, fezes, etc.), de quando foi feita a recolha e do método utilizado para a mesma. (16)

 

Na ausência de testes de diagnóstico fiáveis, as autoridades de saúde não podem então basear as suas decisões nos resultados fornecidos por estes testes, pelo que o que continua a ser recomendado para diagnóstico da SARS é o uso das definições de caso, baseadas na apresentação clínica, o Raios-X ao tórax e a história de possíveis contactos com doentes com SARS. (15)

TOP

Prevenção e tratamento

A identificação da sequência genética de um novo vírus é importante para reforçar o tratamento ou prevenção. Deste modo, os laboratórios de investigação podem usar esta informação para começar a criar drogas antivirais, para formar a base do desenvolvimento de vacinas e desenvolver testes diagnósticos que podem levar a uma detecção mais precoce do vírus (36).

É também importante saber como o SARS-CoV evolui, pois isso irá ter implicações quer para o planeamento estratégico na prevenção da epidemia do SARS quer para o desenvolvimento de uma vacina e anticorpos. A taxa de mutação é um aspecto fundamental na evolução da sequenciação. Se o patogénio evolui lentamente, existem boas hipóteses para o desenvolvimento de vacinas efectivas e tratamentos bem sucedidos para os pacientes de uma região geográfica particular quer para pacientes de outras áreas. Por outro lado, se o patogénio evolui rapidamente, uma estratégia efectiva para prevenir a transmissão do SARS-CoV deve ser a prioridade principal e um programa efectivo de vacinas pode ser problemático (8).

As análises que têm sido efectuadas ao vírus estão longe de estar terminadas. Devido à capacidade que os coronavírus têm de sofrer mutações rapidamente, os cientistas irão comparar as sequências dos vírus isolados nas culturas de células que foram obtidos de tecidos infectados de doentes com SARS, e verificar se o que é identificado no laboratório coincide com o que causa a doença nos pacientes (36).

 

Vacinação

Existe uma rápida e generalizada produção de linfócitos, em termos de células T, células B e células NK, em doentes com SARS, durante a fase aguda da infecção, detectando-se igualmente esta produção em doentes que se encontram na fase de recuperação da doença. O aumento inicial da quantidade de vírus nos primeiros 10 dias de doença sugere que o papel da imunidade inata como uma primeira linha de defesa, é importante e pode influenciar a posterior progressão da doença. A resposta imune desempenha então um papel na patogénese da SARS, pelo que há que ter muito cuidado em termos da possibilidade que existe do aumento da doença em indivíduos imunizados. Este é um facto extremamente importante a ter em conta no desenvolvimento de vacinas (38).

 

Assim, devido à necessidade urgente de uma vacina segura e eficaz, múltiplas estratégias de desenvolvimento de vacinas têm sido postas em prática simultaneamente. (38)

 

Existem vários tipos de vacinas, podendo estas ser:

1.      de vírus inactivados;

2.      de vírus fraccionado, podendo conter apenas a proteína S, a proteína N, a proteína M ou então uma combinação destas três;

3.      de vírus vivo atenuado, consistindo num clone infeccioso ou então o vírus sofreu várias passagens seguidas;

4.      com vectores, sendo os mais comuns os adenovírus, os poxvírus e as bactérias;

5.      de DNA.

 

Enquanto os dois primeiros tipos indicados induzem apenas a produção de anticorpos e de linfócitos T CD4+ , os últimos três tipos para além de também induzirem  a produção desses dois tipos de células, induzem igualmente a produção de linfócitos T CD8+. (39)

 

No entanto, tem-se registado um pequeno problema, é que os testes experimentais de vacinas requerem um modelo animal que reproduza os sintomas e a patologia encontrados nos humanos e nenhum modelo animal descrito até à data imita fielmente os sintomas respiratórios detectados nos humanos. Encontrar este modelo animal tornou-se uma prioridade máxima (38). Mas segundo um outro artigo, entre todas estas vacinas, as de SARS-CoV inactivo foram as únicas testadas clinicamente na China (34).

TOP

Existem três principais preocupações relativamente às vacinas contra SARS-CoV:

*      Segurança – a vacina não deve causar efeitos negativos nos indivíduos;

*      Protecção Eficaz – a vacina deve proteger os indivíduos contra o SARS;

*      Risco teórico da vacina contribuir para a gravidade da SARS, determinado em pessoas que já tenham sido vacinadas. (45)

 

Figura 16 - Fases para o desenvolvimento de uma vacina (Fonte: 39)

 

As vacinas de DNA são uma abordagem atractiva para o desenvolvimento de uma vacina para SARS, pois oferecem muitas vantagens em relação às vacinas convencionais, incluindo estabilidade, simplicidade e segurança. Neste estudo, nas vacinas de DNA usou-se a proteína N de SARS-CoV como antigénio alvo. Os resultados deste estudo, mostraram que a vacina de DNA com CRT (Calreticulin) e ligada ao antigénio SARS é capaz de gerar fortes respostas humorais específicas para N e imunidade celular, podendo assim, ser potencialmente úteis para o controlo da infecção com SARS-CoV (35).

 

Terapêutica

A correlação estabelecida entre parâmetros virológicos e imunológicos, sugeriu que existe uma fase replicativa viral inicial que dura cerca de 10 dias após o estabelecimento da doença e que muito possivelmente é seguida por uma fase imunopatológica. Tem vindo a ser hipotetizado que esta última fase é accionada pelos antigénios virais. Neste sentido, o tratamento mais estratégico será no sentido de parar a replicação viral inicial da doença, para que desta forma o pico de vírus e consequentemente a danificação sejam minimizados. Em termos futuros há então que dar prioridade ao desenvolvimento de terapêuticas focadas em drogas anti-virais. Estudos moleculares do SARS-CoV e de outros coronavirus sugerem vários alvos moleculares potenciais para estas drogas, como é o caso da ligação e fusão da partícula viral e de outras actividades mediadas pela proteína spike, bem como a RNA polimerase RNA-dependente e a protease cisteína. A identificação da enzima 2 angiotensin-converting (ACE2) como receptor funcional das partículas virais de SARS-CoV abriu mais oportunidades para o desenvolvimento destas drogas. (38)

Em termos de tratamentos efectuados, os regimes terapêuticos incluem os antibióticos usados habitualmente contra as bactérias causadoras de pneumonia atípica. Em alguns casos foram usados agentes antivirais, nomeadamente o Oseltamivir3 e a Ribavirina4, aos quais têm sido atribuídos efeitos benéficos para a recuperação. Também tem sido associado o tratamento com corticosteróides, por via entérica ou parentérica. Até agora, desconhece-se qual dos regimes terapêuticos usados foi mais eficaz. O tratamento de suporte, intensivo, de alta qualidade, nos casos prováveis (com fase respiratória evidente) parece determinante para o prognóstico, na ausência de tratamento específico. (12)

TOP

SARS em Portugal

O Laboratório Nacional de Referência para a SARS em Portugal encontra-se englobado na Unidade de Vírus Respiratórios e Enterovírus, no Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge. Neste laboratório foram adoptados dois protocolos de PCR a tempo real, desenvolvidos no Instituto de Medicina Tropical Bernhard Nocht em Hamburg, Alemanha. Um dos protocolos é direccionado para gene da replicase, enquanto que o outro é direccionado para o gene da nucleoproteína (N). O primeiro protocolo demonstrou uma maior sensibilidade, tendo sido por isso utilizado para o sreening, utilizando-se de seguida o segundo protocolo a fim de conferir um maior nível de confiança nos resultados. Todos os procedimentos em laboratório foram executados em Níveis de Segurança 2 e 3.

Desde finais de Março a finais de Setembro de 2003 foram recebidos neste Laboratório 64 espécimens provenientes de 18 doentes. No entanto, para todos eles se obtiveram resultados negativos, tendo 7 doentes demonstrado resultados positivos para outros vírus respiratórios. Nenhum caso de infecção com SARS foi então confirmado laboratorialmente em Portugal. (18)

Portugal integra o conjunto de países classificados de baixo risco quanto à possibilidade de se verificar o início de um novo surto de SARS. No entanto, não se deve negligenciar esta hipótese, pelo que, de acordo com indicações da WHO, é importante efectuar vigilância epidemiológica da SARS em todas as unidades de cuidados de saúde. (14)

 

Perspectivas futuras

O conhecimento acumulado pelo estudo dos coronavírus já acelerou a compreensão do coronavírus SARS a assim continuará no futuro (1).

 

Consideram-se então as seguintes direcções de pesquisa:

*      Biologia molecular de SARS-CoV e seus mecanismos na expressão do genoma;

*      Patogénese da infecção por SARS-CoV;

*      História natural e o espectro completo da infecção por SARS-CoV;

*      Novas técnicas de diagnóstico;

*      Terapias e vacinas (30).

TOP

Considerações Finais

SARS tirou partido de oportunidades para se espalhar internacionalmente de uma forma rápida, oportunidades estas criadas por um volume e velocidade sem precedentes em termos de viagens aéreas. Esta doença também demonstrou como, num mundo muito intimamente interligado e interdependente, uma nova e muito pouco conhecida doença infecciosa pode afectar de forma tão negativa o crescimento económico, o comércio, o turismo, os negócios e o desempenho industrial, a estabilidade social e a saúde pública.

Actualmente pensa-se que o agente etiológico SARS-CoV se trata de um vírus animal que conseguiu ultrapassar a barreira das espécies, e conseguiu infectar o Homem. Muito provavelmente isto foi permitido por mudanças ecológicas ou mudanças no comportamento humano que provocaram um aumento nas oportunidades de exposição do homem ao vírus e na posterior adaptação do vírus. (15)

Embora casos esporádicos da SARS possam continuar a registar-se, desde que as medidas rigorosas de saúde pública se mantenham é pouco provável que um outro surto epidémico grande ocorra. (38)

 

Lições aprendidas com este surto epidémico (13)

*      A rápida detecção e a decisão de reportar sempre todos os casos são vitais;

*      É necessário encontrar soluções para todos os problemas encontrados nos serviços de saúde, não só em termos de falta de pessoal qualificado, como na incapacidade das próprias instituições de saúde de, de um momento para o outro, terem que aumentar os seus serviços;

*      O espírito de solidariedade internacional foi a força condutora para o rápido controlo da SARS, sendo espantoso o que pode acontecer quando a comunidade científica, em vez de competir, colabora;

*      A importância de uma impressa responsável e das comunicações electrónicas na emissão de alertas globais, que permitiram melhorar a vigilância e consciência globais a todos os níveis;

*      É necessário melhorar os sistemas de vigilância nacional a fim de estes poderem fornecer informação diária detalhada, a fim de problemas, a nível da monitorização da evolução da doença, que se registaram não se voltem a verificar;

*      O compromisso político imediato a um alto nível pode ser decisivo, de que é exemplo o Vietnam.

 

Tudo o que foi aprendido com este surto epidémico vai ser bastante útil para aumentar a capacidade global de responder a outras ameaças futuras, como é o caso da próxima pandemia de influenza ou então do uso potencial de agentes para acções terroristas. (13)

TOP

Glossário da SARS

População de alto risco -  pessoas que, nos 10 dias anteriores ao início dos sintomas, tenham história de viagem (com estadia ou em trânsito) ou residência em áreas com transmissão local recente à data da referida viagem  ou tenham tido contactos próximos com casos de SARS, e com febre e/ou sintomas respiratórios. (12)

 

Área afectada – área onde a transmissão do agente da SARS já se efectuou em cadeia, localmente, pessoa a pessoa. (15)

 

Super-spreader – trata-se de um caso fonte que, por razões ainda desconhecidas, infecta um grande número de pessoas. (15)

 

Período inter-epidémico – período durante o qual se regista a ausência de correntes de transmissão de SARS-CoV por todo o mundo. (16)

 

SARS cluster – definido como dois ou mais casos de SARS “preliminary positive” e/ou “probable” e/ou “confirmed” ligados epidemmiológicamente. (16)

 

Epidemia de SARS- evidência de dispersão internacional de SARS, considerada uma emergência global em termos de saúde pública. (16)

 

Interrupção global da transmissão de SARS-CoV – definido como o período de 28 dias após o último caso de SARS relatado a nível global ter sido colocado em isolamento ou morrido e a(s) fonte(s) e via(s) de transmissão terem sido todas identificadas e contidas. (16)

 

Nota: este período era inicialmente de 20 dias, mas foi alargado até aos 28, a fim de reduzir o risco de novos surtos resultantes de infecções de SARS não identificadas ou então de períodos de incubação superiores a 10 dias. (16)

 

Infecção por SARS-CoV – é usada para se referir à transmissão de SARS-CoV, incluindo tanto as infecções sintomáticas como as assintomáticas. (16)

 

Contactos – um contacto é uma pessoa que se encontra em grande risco de desenvolver SARS devido à sua exposição a um caso de SARS. Exposições de risco incluem ter cuidado de, ter vivido com ou ter tido um contacto directo com excreções respiratórias, fluidos corporais e/ou excreções (fezes) de casos de SARS. (16)

 

São considerados 5 tipos diferentes de contactos:

 

Contactos

(desde os 10 dias anteriores ao início dos sintomas e até ter alta hospitalar)

Definições

VIAJANTES

Pessoas que se sentaram na mesma fila, nas 2 filas à frente e nas 2 filas atrás daquela em que o doente se sentou e todos os assistentes de bordo

COABITANTES E CONVIVENTES

Pessoas que coabitaram ou conviveram diariamente com o doente, que lhe tenham prestado assistência ou estado em contacto com fluídos, secreções respiratórias ou excreções do doente.

PROFISSIONAIS DE SAÚDE

(antes do internamento)

Profissionais que, participaram no transporte, registo, observação, tratamento, higiene ou exames auxiliares de diagnóstico do doente; tiveram contacto com secreções, fluídos ou excreções do doente.

PROFISSIONAIS DE SAÚDE

(depois do internamento)

Profissionais que, no hospital onde o doente foi internado, participaram na observação, tratamento, higiene ou exames auxiliares de diagnóstico do doente; tiveram contacto com secreções, fluídos ou excreções do doente, ou estiveram no interior do quarto de isolamento do doente.

Outros

Contactos ainda não contemplados considerados de risco acrescido.

 

Tabela  - Diferentes tipos de contactos e respectivas definições (Fonte: 12)

TOP

Referências Bibliográficas

1.      Martin, S., Weiss, S., 2003. SARS: Lessons Learned from Other Coronaviruses, Volume 16, Number 4, Viral Immunology, Philadelphia.

2.      Zeiebuhr, J., July 2004. Molecular biology of severe acute respiratory syndrome coronavirus, Institute of Virology and Immunology, University of Würzburg, Germany.

3.      Poon, L., Guan, Y., Nicholls, J., Yuen, K., Peiris, M., October 2004. The aetiology, origins, and diagnosis of severe acute respiratory syndrome, University of Hong Kong, China.

4.      Inberg, A., Linial, M., October 2004, Evolutional insights on uncharacterized SARS coronavirus genes, Dept of Biological Chemistry, Life Sciences Institute, The Hebrew University, Israel.

5.      20 May 2003. Communicable Disease Surveillance and Response - Severe acute respiratory syndrome (SARS): Status of the outbreak and lessons for the immediate future, World Health Organization, Geneva.

6.      Neo, Y., Chia, M., et al., September 2004. A human in vitro model system for investigating genomewide host responses to SARS coronavírus infection, Genome Institute of Singapore, Singapore.

7.      Tan Y., Lim, S., et al., December 2003. Profiles of Antibody Responses Against Severe Acute Respiratory Syndrome Coronavirus Recombinant Proteins and Their Potential Use as Diagnostic Markers, Institute of Molecular and Cell Biology, Singapore.

8.      Zhao, Z., Li, H., et al., 28 June 2004. Moderate mutation rate in the SARS coronavírus genome and its implications, BMC Evolutionary Biology.

9.      Síndroma Respiratória Aguda (SRA) – Informação aos profissionais de saúde, Mecanismos de Alerta Em Fase Pós-Surto, Ministério da Saúde, Direcção-Geral da Saúde, 14 de Agosto de 2003. http://www.dgsaude.pt/

10.   http://www.travelsante.com

11.   World Health Organization. SARS: Chronology of a serial killer – Update 95, 4 de Julho de 2003. http://www.who.int/csr/don/2003_07_04/en/

12.   Ministério da Saúde, Direcção-Geral da Saúde. Síndrome Respiratória Aguda (SRA) – Informação aos profissionais de saúde, 21 de Maio de 2003. http://www.dgsaude.pt/

13.   World Health Organization. Revision of the International Health Regulations – Severe acute respiratory syndrome, 17 de Maio de 2003. http://www.who.int/csr/sars/en/

14.   Ministério da Saúde, Direcção-Geral da Saúde. Sindroma Respiratória Aguda: sistema de informação para a Fase Pós-Surto, 10 de Dezembro de 2003. http://www.dgsaude.pt/

15.   World Health Organization. Situation Updates - SARS. http://www.who.int/csr/don/archive/disease/severe_acute_respiratory_syndrome/en

16.   World Health Organization. WHO guidelines for the global surveillance of severe acute respiratory syndrome (SARS) – Update recommendations, Outubro de 2004. http://www.who.int/csr/sars/en/

17.   World Health Organization. Consensus document on the epidemiology of severe acute respiratory syndrome (SARS), Novembro de 2003. http://www.who.int/csr/sars/en/

18.   Gíria, M., Coelho, A., Rebelo de Andrade, H., et al. . Virological Approach to SARS Diagnosis in Portugal, Unidade de Vírus Respiratórios e Enterovírus do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge.

19.   Yang, R., Yu, H., et al., The Spike Protein of Severe Acute Respiratory Syndrome (SARS) Is Cleaved in Vírus Infected Vero-E6 cells, China.

20.   Dye, C., Gay, N., EPIDEMIOLOGY: Modeling the SARS Epidemic.

21.   Guan, Y., Zheng, J., et al., Isolation and Characterization of Viruses Related to the SARS Coronavirus from Animals in Southern China, China.

22.   Rota, P., Oberste, S., Monroe, S., et al., Characterization of a Novel Coronavirus Associated with Severe Acute Respiratory Syndrome.

23.   RNA Packaging Signal in SARS and Other Coronaviruses, http://www.sarsresearch.ca/

24.   http://www.sarsresearch.ca/

25.   Wang, Z., Luo, Y., et al., Molecular biological analysis of genotyping and phylogeny of severe acute respiratory syndrome associated coronavírus, China.

26.   Surjit, M., Kumar, P., et al., April 2004. The nucleocápside protein of the SARS coronavírus is capable of self-association through a C-terminal 209 amino acid interaction domain.

27.   Ying, W., Hao, Y., et al., 2004. Proteomic analysis on structural proteins of Severe Acute Respiratory Syndrome coronavírus, Proteomics journal, Denmark.

28.   Marra, M., Jones, S., Astell, C., et al.,The Genome Sequence of the SARS-Associated Coronavirus, Canada.

29.   Reflections on SARS, 30 de Outubro de 2004.

30.   Leung, C., Chiu, W., November 2004. Clinical picture, diagnosis, treatment and outcome of severe acute respiratory syndrome (SARS) in children, China.

31.   Lo, A., To, K., April 2004. Exploring the patogenisis of severe acute respiratory syndrome (SARS): the tissue distribution of the coronavírus (SARS-CoV) and its putative receptor, angiotensin-converting enzyme 2 (ACE2), Department of Anatomical and Cellular Pathology, The Chinese University of Hong Kong, China.

32.   Ferreira, W., Sousa, J., Março 2002. Microbiologia, Volume 3, Edições técnicas Lidel, Lisboa.

33.   Sinogas, C., Apontamentos das aulas teóricas de Virologia 2004-2005, Universidade de Évora.

34.   He, Y., Zhou, Y., et al., October 2004. Inactivated SARS-CoV vaccine elicits high titers of spike protein-specific antibodies that block receptor binding and virus entry.

35.   Kim, T., Lee J., et al., December 2003. Generation and Characterization of DNA Vaccines Targeting the Nucleocapsid Protein of Severe Acute Respiratory Syndrome Coronavirus, Taiwan.

36.   www.cdc.gov/ncidod/sars/sequence.htm

37.   Zhong, N., Wong, G. . Epidemiology of severe acute respiratory syndrome(SARS):adults and children.

38.   Lau, Y. .SARS: future research and vaccine. Department of Paediatrics and Adolescent Medicine, University of Hong Kong, Queen Mary Hospital.

39.   Abrignani, S. . Developing a SARS Virus vaccine. Chiron Vaccines Research, Siena,Itália.

40.   www.who.int/csr/sars/epicurve/epiindex/en/index.html

41.   www.google.pt

42.   Osterhaus, A. . Severe Acute Respiratory Syndrome SARS. Identification of the causative agent: animal models and pratical implications. www.who.int/vaccine_research/diseases/sars/events/2003/11/en/osterhaus.pdf

43.   Lo,D. . Molecular Epidemiology of SARS in Hong Kong. Department of Chemical Pathology. Chinese University of Hong Kong. www.who.int/vaccine_research/diseases/sars/events/2003/11/en/lo.pdf

44.   Nabel, G. . Potencial SARS Virus Vaccines. Vaccine Research Center. Bethesde, USA. www.who.int/vaccine_research/diseases/sars/events/2003/11/en/nabel.pdf

45.   World Health Organization. Western Pacific Region. Press Releases. 5 de Março de 2004. http://www.wpro.who.int/public/press_release/press_view

46.   www.medscape.com

47.   Center for Disease Control and Prevention (CDC). http://www.cdc.gov/ncidod/sars/lab/images.htm

48.   http://gsbs.utmb.edu/microbook/ch005.htm

TOP