Universidade de Évora

Virologia 2004/05

 

Cármen Lobinho (17151), Maria Ricardo. Neto (16538), Marta Brandão (16766)

 

Parvovírus canino

 

 

Índice

 

Índice. 0

Introdução. 1

Caracterização do vírus 2

Replicação do parvovírus 3

Etiologia e Epidemiologia. 5

Patogenia e sintomatologia. 6

Forma Entérica. 7

Forma miocárdica. 7

Diagnóstico. 7

Profilaxia. 9

Tratamento. 9

Inactivação do Vírus 9

Parvovírus e o Homem.. 10

Bibliografia. 10

 

 

Introdução

Este trabalho visa a caracterização, a replicação, a etiologia e epidemiologia, a patogenia e sintomatologia, o diagnóstico, a profilaxia, o tratamento e a inactivação do Parvovirus canino. Uma vez que também existe um tipo de parvovirus que afecta o Homem directamente, o parvovirus B19, é de interesse fazer-lhe referência.

A primeira noção consensual de vírus está estabelecida desde a primeira época da história da virologia já com pouco mais de cem anos.

Ivanovsky faz nascer a virologia, atribuindo logo ao vírus duas características essenciais: a dimensão sub microscópica, muito menor que a das bactérias e a infecciosidade.

Pode-se então definir vírus como “entidades potencialmente patogénicas cujo genomas são ácidos nucleicos que se replicam no interior de células vivas usando a maquinaria sintética celular, e que causam a síntese de partículas que podem transferir o genoma para outras células” (Salvador Luria, in Microbiologia). No entanto, é de notar que esta definição evita os termos “vida” ou “organismo”. Os vírus não têm metabolismo, não produzem energia, não crescem e não se dividem. Nos casos mais simples limitam-se a fornecer à célula infectada a informação genética a ser expressa pelo equipamento celular e à custa de energia obtida pela célula. Assim, é problemática considerar os vírus como organismos, no sentido clássico do termo, zoológico, botânico ou mesmo microbiológico. Mas se, na perspectiva da biologia molecular, privilegiarmos como critérios de vida a capacidade de replicação, de expressão de informação genética transmissível e de evolução, pode-se definir organismos, segundo Rybicki, como “o elemento unitário de uma linhagem contínua com história evolutiva individualizada”.

Um vírus individualizado é denominado virião. Este apresenta uma estrutura simples que consiste em: um núcleo de material genético, que pode ser DNA ou RNA. Tem uma cápsula proteica, a cápside, que envolve o núcleo. O virião pode ser envolvido por um envelope membranoso de proteínas e substâncias gordas. Em alguns casos os envelopes também incluem extremidades glicoproteicas, que ajudam os vírus a fixarem-se às células hospedeiras e possuem significado para a produção de vacina.

TOP

Figura 1. – Estrutura do virião.

 

No fim do ano de 1978, uma nova doença viral de cães, caracterizada por diarreia hemorrágica severa e vómitos, foi reconhecida. Surtos simultâneos ocorreram nos Estados Unidos, Canadá, Austrália e na Europa Ocidental. Esta enfermidade está agora largamente disseminada em todas as partes do mundo. Entre os vírus, assume posição de destaque o parvovírus canino (VPC) 1 e 2, descrito pela primeira vez nesse mesmo ano.

O parvovírus canino responsável por gastroenterite aguda parece estar limitado somente aos canídeos. Infecções naturais têm sido descritas em cães domésticos (Canis familaris), cães-do-mato (Speothos venaticus), coiotes (Canis latrans), entre outros.

A doença causada por um parvovírus manifesta-se de duas formas, que são a forma entérica e a forma miocárdica. A forma entérica é mais frequentemente reconhecida, por mostrar sinais evidentes. A forma miocárdica é geralmente diagnosticada no post-mortem, pois a maioria dos animais morre subitamente sem mostrar sinais clínicos.

Onde a doença se originou e o porquê dela ter aparecido subitamente e quase que espontaneamente em várias partes do mundo ao mesmo tempo não é sabido. Tem sido sugerido que, devido à semelhança antigénica com o vírus da panleucopenia felina, o vírus da parvovirose canina seja um mutante de uma linhagem de campo do vírus felino.

 

Caracterização do vírus

Classificação

Família

Sub-família

Género

Parvoviridae

Parvovirinae

Parvovirus

Características do virião

-         Tamanho: 18 a 26 nm

-         Simetria icosaédrica: 60 capsómeros

-         Envelope: ausente

Ácido nucléico

-         Tipo: DNA de cadeia simples - linear

-         Polaridade: negativa, porém estes vírus também podem encapsidar cadeias positivas.

-         Tamanho: aproximadamente 4800 nucleótidos.

-         Apresentam sequências policistrónicas nas extremidades do genoma, que formam hairpins e são necessários para a replicação do DNA viral. Estas sequências actuam como primers.

Proteínas

-         Estruturais: VP1, VP2 e VP3.   O capsídeo é composto por 60 subunidades da proteína VP2,  e entre 6 a 10 cópias da proteína VP1.  Apenas nas partículas infecciosas a proteína estrutural VP3 surge como resultado da clivagem de 15 a 20 aminoácidos da extremidade amino terminal da  proteína estrutural VP2.

-         Não estruturais: NS1 e NS2

 

Fig.2 Estrutura tridimensional da cápside viral analisada através de cristalografia de raio-X

TOP

 

Tipos

-         Sorológicos: Tipo 2, tipo 2a e tipo 2b.

-         Genómicos: Os tipos genómicos têm sido estudados através de digestão do DNA genómico com enzimas de restrição. Os tipos sorológicos  2, 2a e 2b  apresentam  perfis de restrição característicos após digestão com uma série de endonucleases. Além dos tipos genómicos 2, 2a e 2b,  também foram  relatados alguns variantes genómicos.

Transmissão:

-         Via fecal-oral.

-         O período de incubação é de 5 a 7 dias.

-         Excretados em grandes quantidades nas fezes (106 a 109 partículas/g de fezes).

-         A replicação do vírus ocorre em células que estejam na fase S da mitose, pois eles necessitam de funções celulares que somente podem ser supridas nesta fase. Portanto,   estes vírus têm preferência por tecidos com intensa proliferação celular, ou seja, sistema linfático, medula óssea, intestino e tecidos fetais.

 

Replicação do parvovírus

A expressão do genoma viral para sintetizar proteínas virais e para ele próprio se replicar na célula do hospedeiro são etapas fundamentais da replicação viral.

A replicação viral é um ciclo complicado de seis etapas:

 

1. Absorção à O virião liga-se a um local específico do receptor numa célula hospedeira e funde-se com a membrana da célula hospedeira.

2. Penetração à O virião penetra na membrana e o material genético viral entra na célula hospedeira.

3. Descapsidação à O ácido nucleico viral é libertado a partir da cápside

4. Transcrição e replicação à O material genético vital reprograma a célula hospedeira para fabricar os componentes virais

5. Montagem à O novo ácido nucleico e as cápsides são montadas de maneira a formar viriões completos.

6. Libertação à Os novos viriões são libertados a partir da célula hospedeira e circulam no interior do hospedeiro.

 

O genoma do parvovírus é composto de uma pequena cadeia simples de DNA com cerca de 4800 bases, é o mais simples dos vírus a DNA. O genoma é tão pequeno que a síntese dos únicos três polipéptidos (componentes da cápside) é directa.

Uma vez que o genoma viral não codifica nenhuma enzima, o vírus tem de recorrer a enzimas do hospedeiro para realizar o processo de síntese proteica. O genoma deste vírus só se consegue replicar no núcleo, durante o período S do ciclo celular, quando a própria célula faz a replicação do seu genoma.

A replicação do parvovírus, que é um vírus ss-DNA pode-se explicar através do seguinte esquema:

TOP

 

Figura 3. – Esquema representativo da replicação de um vírus ss-DNA.

 

A replicação de um vírus de ss-DNA é um processo repetitivo, que tem por base a existência de extreminades 3’ OH livres. Logo estas, apesar de o vírus ser de cadeia simples, podem servir de molde. Após a replicação com a mesma estratégia uma nova replicação pode começar, pois há sempre uma extremidade 3’ OH disponível.

 

Figura 4. – Esquema representativo da replicação do Parvovírus canino.

TOP

Etiologia e Epidemiologia

A parvovirose é o termo utilizado para designar a doença infecto-contagiosa, cujo agente etiológico é um vírus pertencente a família Parvoviridae. O parvovírus canino é um DNA-vírus, pequeno (18 a 26 nm), sem envelope lipoprotéico e capsíde de simetria icosaédrica, composta por 60 capsómeros. A partícula infecciosa é bastante resistente, sendo estável na presença de pH entre 3,0 e 9,0, a sua inactivação ocorre a temperaturas superiores a 56o C durante 60 minutos, podendo sobreviver no meio ambiente durante meses e anos.

O vírus é transmitido pela eliminação fecal e a porta de entrada é a via oral. Porém, a infecção experimental pode ser produzida por várias vias, incluindo oral, nasal ou oronasal. Durante o período agudo da doença, são excretadas dez partículas virais por grama de fezes. O vírus pode estar presente em outras secreções e excreções durante a fase aguda da doença. Postula-se que insectos e roedores possam ser vectores do vírus de um local para outro. A ocorrência de surtos de enterites por parvovírus canino em alguns cães de canis sugere que o transporte por pessoas contribui para a disseminação da infecção.

Acredita-se que a disseminação da doença se dá muito mais pela persistência do vírus no meio ambiente do que pelos portadores assintomáticos. A eliminação activa do vírus nas fezes parece estar limitada nas primeiras duas semanas pós-inoculação (PI). Entretanto, existem evidências que alguns cães podem eliminar o vírus periodicamente por mais de um ano.

Há uma notável variação na resposta clínica dos cães à infecção por parvovírus canino, oscilando entre infecções inaparentes à doença aguda fatal menos frequente. Factores preponderantes à doença grave são:

-         Idade;

-         Factores genéticos (como diferenças raciais em susceptibilidade);

-         Stress;

-         Infecções simultâneas com parasitas ou bactérias intestinais.

A idade tem mostrado uma forte relação com o agravamento da doença. Geralmente, as crias com menos de seis meses de idade apresentam uma necessidade maior de hospitalização, quando comparado com animais mais idosos.

Por razões ainda não esclarecidas, verifica-se uma maior susceptibilidade de algumas raças a esta doença, nomeadamente o Rottweiler, Doberman e Husky, tendo uma maior taxa de mortalidade que outras raças. É também de referir que cães de raças puras são mais susceptíveis a esta doença.

 

Patogenia e sintomatologia

Após a penetração do vírus por via oral, a replicação viral é observada no tecido linfático da orofaringe e nas amígdalas. A partir deste momento o vírus entra para o sistema circulatório (fase de viremia). A virémia inicia-se no terceiro e quarto dia pós-infecção e mantém-se por mais dois a três dias. Depois desta, o vírus é distribuído para todo o organismo, tendo preferência pelas células em divisão, invadindo os vários tecidos, incluindo o timo, o baço, os nódulos linfáticos, a medula óssea, os pulmões, o miocárdio,e finalmente o jejuno distal e íleo, onde ele se continua a replicar. A replicação causa a necrose das criptas do epitélio do intestino delgado, com eventual destruição das vilosidades.

 

Figura 5. – Vilosidades intestinais normais.

 

Figura 6. – Vilosidades intestinais após infecção pelo vírus

 

Não havendo a reposição das células das vilosidades pelas células das criptas glandulares, ocorre a formação de úlceras, aumento de permeabilidade e diminuição da absorção, estabelecendo-se desta maneira a diarreia.

A replicação do vírus nos tecidos linfopoiéticos e medula óssea causa leucopenia com neutropenia e linfopenia, imunodeficiência, atrofia do timo e depleção linfóide dos nódulos linfáticos e baço.

Até cerca de quatro semanas de idade, o crescimento do epitélio intestinal é muito lento, quando comparado com o tecido do coração, mas à medida que o cão envelhece (idade superior a cinco semanas) a infecção estabelece-se no intestino, levando à entrite.

As alterações no músculo cardíaco em infecções sub clínicas podem predispor ao aparecimento de doenças cardíacas quando o animal tiver mais idade.

A doença causada por um parvovírus manifesta-se de duas formas, que são a forma entérica e a forma miocárdica.

 

Forma Entérica

A doença normalmente apresenta-se como um episódio gastroentérico severo, altamente contagioso e por vezes hemorrágico em crias (com mais de três semanas de idade).

Os animais infectados apresentam inicialmente vómitos, desenvolvendo depois uma diarreia severa. Em muitos casos, os animais infectados podem-se desidratar rapidamente e morrer 24 a 48 horas depois do aparecimento dos sintomas.

Os sinais clínicos aparecem geralmente dois a quatro dias após a exposição inicial (infecção). No estado inicial da doença (de um a três dias após a infecção), ocorre uma virémia profunda antes do aparecimento da gastroenterite, e a temperatura do animal pode estar bastante elevada. É durante a fase virémica que uma leucopenia profunda, especialmente linfopenia, pode ser observada.

A leucopenia transforma-se rapidamente em leucocitose devido à infecção secundária por bactérias (os agentes bacterianos secundários mais comummente isolados são E.coli, Campylobacter spp., Salmonella spp., Clostridium spp.) à medida que os sinais clínicos se tornam evidentes. Durante a fase clínica da doença (do quarto ao décimo dia após a infecção), grandes quantidades de vírus são eliminadas nas fezes. A fase de eliminação do vírus não é muito longa e dura de dez a catorze dias.

À medida que a doença evolui, a temperatura geralmente volta ao normal, antes de se tornar sub normal, quando então o animal morre por choque. Durante a fase de recuperação, os sinais clínicos regridem rapidamente dentro de 5 a 10 dias depois de seu aparecimento. É possível que cães recuperados possam apresentar a forma miocárdica numa idade mais avançada, devido às lesões iniciais causadas no músculo cardíaco. No exame histopatológico dessa doença, encontram-se alterações muito semelhantes àquelas encontradas na panleucopenia felina. O exame post-mortem revela lesões no trato gastrointestinal que são morfologicamente idênticas àquelas vistas na panleucopenia felina.

 

Forma miocárdica

A doença apresenta-se como uma miocardite em crias infectadas (de três a oito semanas) e muito raramente em cães adultos. Cães que se recuperam da forma entérica podem ser afectados mais tarde, durante a vida, pela forma miocárdica. Isso também pode ocorrer em cães que apresentaram uma doença sub clínica. Em casos tipo, crias que aparentemente sadias morrem subitamente ou minutos após um período de angústia. As crias aparentemente sucumbem de edema pulmonar, atribuído a falha cardíaca. Nos cães que são infectados mas que não morrem imediatamente, nota-se através do exame radiográfico uma anomalia no miocárdio. Os sinais clínicos são devidos a ataque do miocárdio pelo vírus e sub sequente degeneração do músculo cardíaco. É possível que a miocardite em crias resulte de infecção neonatal ou intra-uterina do feto.

Os sinais clínicos mais comuns da parvovirose são anorexia, depressão, vómitos, rápida desidratação, diarreia sanguinolenta, líquida e fétida.

TOP

Diagnóstico

O diagnóstico clínico da parvovirose é sugestivo, mas deve sempre ser diferenciado de gastroenterites bacterianas como a salmonelose e de outras gastroenterites virais como a cinomose. Os achados de hemograma mais frequente são leucopenia com neutropenia.

O diagnóstico da parvovirose é muitas vezes um desafio para o veterinário, pois há uma infidável lista de outras doenças que causam vómitos e diarreia. Normalmente é feito um diagnóstoco tentativo com base na contagem das células brancas sanguíneas (leucócitos). A parvovirose é caracterizada por uma contagem reduzida (leucopénia), embora esta possa estar normal no inicio dos sintomas clínicos! A confirmação do diagnóstico pode ser feita por meio de um teste laboratorial, em que se faz a detecção de anticorpos anti-vírus no sangue, embora resultados negativos não sejam totalmente fiáveis…

O diagnóstico laboratorial do parvovírus canino pode ser realizado pela detecção do vírus nas fezes, vómitos ou em tecidos "post-mortem". Diversas técnicas, como a microscopia electrónica (ME) ou a imunomicroscopia electrónica (IME), o isolamento viral em culturas celulares, a reacção de hemaglutinação seguida ou não pela inibição da hemaglutinação com anticorpos específicos, são usualmente utilizadas, bem como os ensaios imunoenzimáticos (ELISA), reacções de imunoflurescência (IF), imunoperoxidase e, mais recentemente, a reacção em cadeia pela polimerase (PCR). Dentre este testes, o único viável para o clínico particular é o teste ELISA por ser rápido, eficiente e de custo acessível.

 

Figura 7. – Células de rim canino não infectadas (coloração por Hematoxilina-Eosina) observadas ao microscópio electrónico

 

Figura 8. – Células de rim canino infectadas evidenciando corpúsculos de inclusão intra-nucleares (coloração por Hematoxilina-Eosina) observadas ao microscópio electrónico.

TOP

Profilaxia

A única maneira de se controlar a parvovirose canina é por meio de um programa de imunização eficiente. As vacinas não devem proteger somente o individuo, mas também a população, evitando a eliminação de vírus quando o animal sofre uma exposição ao vírus de campo. Desde que seja provável que o parvovírus canino continue a circular na população indefinidamente, a imunização contra a parvovirose deve ser incluída no programa de vacinação.

Antes de se comentar o esquema de vacinação, deve-se ressaltar o papel dos anticorpos maternos na protecção das crias e sua influência sobre a vacinação. Os níveis de anticorpos maternos nas crias variam de acordo com os níveis de anticorpos encontrados na progenitora. Quanto mais alto for o titulo de anticorpos na progenitora, mais altos serão os títulos encontrados nas crias e, portanto, mais duradoura será a imunidade passiva. No entanto, como o nível da progenitora pode ser variável, a imunidade passiva também será variável. Têm-se encontrado crias que com seis semanas de idade já não apresentam títulos detectáveis, e crias que mantiveram títulos até à décima oitava semana de idade. Se o animal for vacinado e ainda apresentar títulos de anticorpos, esses vão inutilizar a vacina. Assim, para se ter a certeza de uma eficiente imunização em crias, deve-se dar a primeira dose entre seis e oito semanas de idade, a segunda entre dez e doze semanas e a terceira dose entre dezasseis e dezoito semanas de idade. A revacinação deve ser anual. Para assegurar uma boa imunidade às crias, deve-se vacinar as cadelas antes da cobrição. Não se deve vacinar cadelas prenhas, apesar de não existirem evidências de interferência sobre o desenvolvimento normal do feto.

Durante o quadro clínico da doença, o animal infectado deve ser mantido isolado dos outros cães da casa, devendo-se evitar também a contaminação de jardins e lugares difíceis de serem desinfectados, os quais possam favorecer a persistência da partícula viral infectante. Após a infecção ambiental recomenda-se o vazio sanitário por um período mínimo de 30 dias para introdução de outro animal

 

Tratamento

O tratamento recomendado para gastroenterite pelo parvovirus é de suporte. Os principais objectivos do tratamento são restabelecer e manter o equilíbrio electrolítico e minimizar a perda de líquidos. Nas primeiras 24 a 48 horas ou até cessarem os vómitos, deve-se suspender completamente a alimentação e a ingestão de líquidos por via oral. Recomenda-se a aplicação de fluídoterapia, antieméticos, antibióticos e, em alguns casos também é necessário a transfusão sanguínea.

Recentemente, estudos realizados no Japão demonstraram eficácia da utilização do interferão felino no tratamento de cães infectados pelo parvovírus, sendo indicada a dose diária de 1 UM (unidade por milhão)/Kg durante três dias.

TOP

Inactivação do Vírus

O parvovírus é muito resistente às intempéries do meio ambiente. Uma vez que o local esteja contaminado, fica muito difícil eliminar o vírus. Acredita-se que o vírus possa sobreviver por mais de seis meses em condições normais de temperatura e humidade no meio ambiente. A maneira mais eficiente de desinfecção é o uso de formalina a 1% ou de hipoclorito de sódio a 5,25% diluído na proporção de 1:30 em água. Deve-se minimizar o contacto do animal susceptível com cães afectados e as suas fezes.

 

Parvovírus e o Homem

Existe um tipo de parvovírus que afecta o Homem, é o Parvovírus Humano B19.

Foi descoberto em 1975 e emergiu como um significante patogénico humano. O virão B19 é uniforme, com simetria icosaédrica, sem envelope e com aproximadamente 23nm de diâmetro. É um vírus de ss-DNA.

Existe um vasto leque de sintomas provocados pelo vírus, desde sintomas suaves, como a febre, dores de cabeça e arrepios, até ao eritema infeccioso em crianças e o doenças nas articulações em adultos. Surgem casos de doenças mais graves em pessoas com glóbulos vermelhos falsiforme e anemia hemolítica autoimune devido à persistencia do vírus B19. Este vírus pode também infectar o feto, o que provoca anemia e acumulação de fluidos nos tecidos.

A forma mais natural de contaminação do indivíduo por este vírus ocorre através das vias respiratórias.

Existe uma variedade de técnicas disponíveis para a detecção do parvovirus B19. O principal meio de defesa contra a infecção e doença causada por este vírus, são os anticorpos antivirais.

O tratamento de indivíduos que sofrem de infecções agudas e crónicas por B19, é feito com imunoglobina comercial contendo anti-B19, e anticorpos monoclonais B19 têm mostrado ser uma terapia eficiente.

Na maior parte dos casos, a infecção é seguida de imunidade.

 

Bibliografia

-         Prescot, L. M. ; Harley, J. P. ; Klein, D. A. “Microbiology”. WCB Publishers.  3 rd Edition.;

-         Atlas, R. M. “Principles of Microbiology” . WCB Publishers. 2nd Edition.;

-         Pesquisa em www.google.com;

-         Apontamentos das aulas teóricas de Virologia;

-         Ferreira, W.; Sousa, J. (1998).” Microbilogia” (volume 1). Lidel. Lousã.

 

TOP