Universidade de Évora

Departamento de Biologia

Disciplina de Imunologia

Ano 2003/04

Prof. Carlos Sinogas

 

A Diversidade de Linfócitos T e a sua Importância na Resposta Imunitária Celular Específica

 

Ana Martinho, 16405

Patrícia Barros, 16143

Pedro Barros, 16392

 

 

Évora, 28 de Junho de 2004

 

 

 

Índice

Introdução. 3

O Sistema Imunitário. 3

Tecidos e Órgãos Linfóides. 4

Órgãos Linfóides Primários. 6

Órgãos Linfóides Secundários. 7

Células do Sistema Imunitário: Os Linfócitos T. 8

Receptores de Antigénios dos Linfócitos T – TCR.. 12

Complexo Principal de Histocompatibilidade – MHC.. 13

Resposta Imunitária Celular Específica. 14

Mecanismos de Desenvolvimento e de Lise Celular dos LTc 16

A Origem da Diversidade. 17

A Regulação da Resposta Imunitária. 21

Resposta Imunitária Mediada por Células em: 23

Transplantes. 23

Ataque a Vírus. 23

Ataque a Fungos ou Bactérias. 24

Resumo do Artigo de Revisão. 24

Considerações Finais. 26

Referências. 27

 

 

Introdução

A presente monografia resulta de um artigo de revisão (“The many important facets of T-cell repertoire diversity”- Janko Nikolich-Žugich, Mark K. Slifka e Ilhem Messaoudi), em que são abordados os aspectos mais relevantes da diversidade do reportório dos linfócitos T.

Para além de um breve resumo de todos os assuntos referidos ao longo do artigo, nesta monografia referem-se ainda, brevemente, os aspectos que caracterizam cada uma das estruturas e dos processos referidos, no já citado artigo. Tal, mostra-se de bastante interesse na medida em que, uma melhor compreensão dos mecanismos que contribuem para a elevada diversidade do reportório dos linfócitos T isoladamente, possibilita uma melhor compreensão desses mecanismos, no contexto do artigo.

 

O Sistema Imunitário

O nosso organismo possui mecanismos de defesa que podem ser diferenciados quanto à sua especificidade, ou seja, existem os específicos contra o antigénio (“o corpo estranho”) e os inespecíficos que protegem o organismo de qualquer material ou microorganismo estranho, sem que este seja específico (Goldsby et al., 2003 e 4).

O organismo possui barreiras naturais que são obviamente inespecíficas, como a pele (queratina, lípidos e ácidos gordos), a saliva e o muco presente nas mucosas e no tracto respiratório, entre outras (Goldsby et al., 2003 e 4).

Para além das barreiras naturais, existem respostas imunitárias inespecíficas e específicas para combater invasores que penetrem as barreiras naturais e infectem o organismo (Abbas & Lichtman, 2003). As respostas imunitárias inespecíficas são aquelas em que não há um combate contra um epitopo, mas sim contra um antigénio que se encontra no local, não sendo ele específico, mas qualquer substância estranha que esteja em contacto com ele (como uma célula envolvida por uma imunoglobulina ou célula tumoral). Neste tipo de resposta estão presentes certos tipos de células como, macrófagos (fig. 1), neutrófilos, eosinófilos, células NK e o complemento (Goldsby et al., 2003, 3 e 4).

 

Figura 1: Fotografia ao microscópio electrónico de um macrófago em actividade.

 

Pelo contrário, as respostas imunitárias específicas são aquelas que envolvem a acção de epitopos específicos, formando populações monoclonais específicas para atacar o antigénio em questão. Neste tipo de respostas estão envolvidos os linfócitos B e/ou T que, para além da elevada eficiência no combate aos microorganismos invasores são, também, os responsáveis pela “limpeza” do organismo, ou seja, a retirada de células mortas, a renovação de determinadas estruturas, a rejeição de enxertos e a memória imunológica (Goldsby et al., 2003 e 4).

Diversos locais no organismo apresentam tecidos linfóides. O tecido linfóide pode estar acumulado formando os nódulos linfáticos, que se interpõem entre os vasos linfáticos do organismo, ou fazer parte do parênquima de órgãos como o baço, o timo ou as amígdalas, sendo estas últimas formadas puramente por tecido linfóide. Alguns órgãos, como os pulmões, o fígado, o cérebro e a pele, não possuem tecido linfóide, mas têm uma grande população de macrófagos preparados para actuar e fazer a “limpeza” do local (Goldsby et al., 2003 e 4).

As células do sistema imunitário são altamente organizadas, e, cada tipo de célula age de acordo com a sua função. Deste modo, algumas estão responsáveis por receber ou enviar mensagens de ataque ou de supressão, outras apresentam o “inimigo” às células do sistema imunitário, outras apenas atacam com o intuito de matar e, outras produzem substâncias que neutralizam esses “inimigos” ou neutralizam substâncias libertadas por esses organismos (Goldsby et al., 2003 e 4).

 

Tecidos e Órgãos Linfóides

No corpo humano existem diversos locais onde há produção de células linfóides maduras que vão agir no combate a agentes agressivos externos (Roitt et al., 2001 e 3).

Alguns órgãos linfóides encontram-se interpostos entre vasos sanguíneos e vão originar glóbulos brancos na corrente sanguínea. Outros estão entre vasos linfáticos, e vão “filtrar” a linfa e combater antigénios que chegam até eles por essa via. Outros, ainda, podem ser encontrados fazendo parte da parede de outros órgãos, ou espalhados pela sua mucosa (Roitt et al., 2001).

Os tecidos linfóides são classificados em primários e secundários. Os primários representam o local onde ocorre a formação e a maturação dos linfócitos. O timo e a medula óssea são tecidos primários, pois é o local onde amadurecem os linfócitos T e B (hematopoiese), respectivamente. Os tecidos primários não formam células activas na resposta imunitária, mas sim, apenas células até ao estádio de pró-linfócitos (Goldsby et al., 2003 e 4).

Os tecidos linfóides secundários são os que, efectivamente, participam na resposta imunitária, quer humoral (mediada por células B), quer celular (mediada por células T). As células presentes nesses tecidos secundários tiveram origem nos tecidos primários, que migraram pela circulação e atingiram o tecido. Neles estão presentes os nódulos linfáticos difusos, ou encapsulados como os nódulos linfáticos, as placas de Peyer, o baço e a medula óssea. Por conseguinte, salienta-se a medula óssea que, funciona simultaneamente como órgão primário e secundário (Goldsby et al., 2003, 3 e 4).

O sistema linfático é constituído por capilares linfáticos, vasos linfáticos, folículos linfóides e nódulos linfáticos, denominando-se o líquido que circula través dele por linfa, que se encontra espalhado por todo o corpo (fig. 2) (Roitt et al., 2001).

 

Figura 2: Representação esquemática dos órgãos que constituem o sistema imunitário.

 

Este sistema desempenha um importante papel na defesa imunitária, pois serve de meio de transporte para antigénios e linfócitos. Os antigénios estranhos que estão nos tecidos, ao serem captados pelos capilares linfáticos, são levados para tecidos linfóides organizados: os folículos linfóides ou os nódulos linfáticos (Roitt et al., 2001).

 

Órgãos Linfóides Primários

O Timo

O timo é um órgão linfático que se localiza no tórax, anterior ao coração, e está dividido em dois lobos, o esquerdo e o direito, sendo estes, subdivididos em vários lóbulos, cada um dos quais com uma zona medular e uma zona cortical (fig. 3). É nesta última que se encontram os linfócitos em maturação, que se desenvolvem em pró-linfócitos T, a partir da chegada a este órgão das células fonte que migraram do fígado e do baço do embrião. Quando os linfócitos atingem a fase de pró-linfócitos ou linfócitos maduros não activos, atingem a zona medular onde penetram nas vénulas, dirigindo-se para as veias ou vasos eferentes linfáticos, saindo do órgão em direcção aos tecidos linfóides secundários (6).

 

Figura 3: Fotografia de um corte transversal do timo ao microscópio óptico composto.

 

A função do timo é promover a maturação dos linfócitos T, que vieram da medula óssea, até ao estágio de pró-linfócitos, que vão depois para os outros tecidos linfóides, onde se tornam activos. Porém, o timo também dá origem a linfócitos T maduros que vão fazer o reconhecimento e identificação do que é material estranho ou próprio do organismo. Outra função importante do timo é a produção de factores de desenvolvimento e a proliferação de linfócitos T, que vão agir no próprio timo ou nos tecidos secundários, nos quais estimulam a maturação completa dos linfócitos (6).

 

A Medula Óssea

Como já foi referido a medula óssea pode considerar-se simultaneamente um órgão linfóide primário e secundário. É constituída por células reticulares, associadas a fibras reticulares e, no seu centro, uma enorme quantidade de capilares sanguíneos com grandes poros que permitem a saída de células maduras (fig. 4). Tem uma função sustentadora e é indispensável ao desenvolvimento das células que participam da hematopoiese (6).

 

Figura 4: Fotografia de um corte transversal da medula óssea ao microscópio óptico composto.

 

A libertação das células para o sangue é feita por estímulos (factores estimulatórios de libertação), sendo o componente C3b do complemento, glicocorticóides, androgénios e algumas toxinas bacterianas os factores mais relevantes.

Como órgão linfóide primário, a medula, é capaz de formar pró-linfócitos que provêm das células totipotentes, que não são capazes de realizar uma resposta imunitária, dirigindo-se aos órgãos secundários para se desenvolver. A célula multipotente mielóide e os linfoblastos T dirigem-se ao timo para formar linfócitos T (6).

 

Órgãos Linfóides Secundários

Os Nódulos Linfáticos

Os nódulos linfáticos são órgãos pequenos em forma de feijão que aparecem no meio do trajecto de vasos linfáticos, encontrando-se, normalmente, agrupados na superfície e na profundidade nas partes proximais dos membros, como as axilas, entre outras. Têm a função de “filtrar” a linfa que chega até eles e remover bactérias, vírus e restos celulares, entre outros (6).

O sistema linfático consiste num conjunto de vasos que possuem válvulas e distribuem-se por todo o corpo, com excepção de alguns órgãos como o cérebro.

Na zona paracortical (zona entre o córtex e a medula) encontram-se os linfócitos T, que resultam da maturação dos pró-linfócitos, e estão já aptos a desencadear uma resposta imunitária. Também na zona medular deste órgão encontram-se linfócitos T maduros, que estão já prontos para sair do nódulo linfático e se dirigirem ao local de acção. As células maduras saem pelas veias e vasos linfáticos eferentes e atingem a circulação sanguínea e linfática (6).

Abaixo da cápsula de tecido conjuntivo que cobre os nódulos linfáticos, existe um espaço que se designa por seio subcapsular, onde circula a linfa, sendo esse o primeiro local de contacto do nódulo linfático com a linfa. Neste, existem células apresentadoras de antigénios, as chamadas células dendríticas, que fagocitam os antigénios que chegam pela linfa e vão apresentar os seus epitopos aos linfócitos B ou T maduros que se encontram no parênquima do órgão, desenvolvendo-se uma resposta imunitária. Nesta fase, os linfócitos activados proliferam e atacam os antigénios que atingem o órgão. Os linfócitos também saem do órgão para a linfa e vão para a circulação sanguínea a fim de se dirigirem ao local de acção (Purves, et al., 1998 e 6).

 

O Baço

O baço é um órgão maciço avermelhado, de consistência gelatinosa, situado no quadrante superior esquerdo do abdómen (fig. 5). É o maior órgão linfático secundário do organismo e tem como função imunológica a libertação de linfócitos B, T, plasmócitos e outras células linfóides maduras, capazes de realizar uma resposta imunitária, para o sangue e não para a linfa (6).

 

Figura 5: Fotografia de um corte transversal do baço, observada ao microscópio óptico.

 

Tem a capacidade de filtrar e reter antigénios que estejam na circulação sanguínea, permitindo, deste modo, responder a infecções sistémicas (6).

 

Os Gânglios Linfáticos

Os gânglios linfáticos são estruturas capsulares bastante organizadas, que se encontram mais concentradas na cabeça, no pescoço, nas axilas, no peito, no abdómen e nas virilhas e contêm os folículos linfóides. São especializados em reter antigénios de tecidos locais e, por este motivo, podem encontrar-se neles, células B, células Th, macrófagos, plasmócitos e células dendríticas foliculares e interdigitantes (Roitt et al., 2001, Goldsby et al., 2003 e 4).

 

Os Folículos Linfóides

Os folículos linfóides são constituídos por agregações de células rodeadas por uma rede de capilares linfáticos, possuindo, entre outras, células dendríticas foliculares, linfócitos Th, linfócitos B e macrófagos (Roitt et al., 2001, Goldsby et al., 2003 e 4).

 

Células do Sistema Imunitário: Os Linfócitos T

As células do sistema imunitário designam-se por leucócitos, designação essa que deriva do latim Leukos que significa branco (4).

Cada indivíduo adulto possui, em média, no seu sangue entre 5000 a 10000 leucócitos por milímetro, sendo que, ao nascimento, este valor ronda os 20000 leucócitos/mm2 de sangue, decrescendo até aos doze anos de idade, em que atinge os valores de adulto. Este decréscimo verifica-se porque as barreiras naturais do organismo ainda não se encontram completamente desenvolvidas, aquando do nascimento, havendo uma maior possibilidade de contracção de infecções de diversas naturezas (4).

Diversas células têm um papel preponderante nas respostas do sistema imunitário, entre elas os linfócitos, que constituem cerca de 20-30% dos leucócitos, variando bastante consoante o estado de saúde do indivíduo. Por exemplo, se o indivíduo está stressado ou deprimido esta percentagem é bastante inferior e, pelo contrário, se o indivíduo sofrer de uma infecção viral, ou de uma rejeição de transplante, esta mesma percentagem aumenta significativamente (4).

Os linfócitos são agranulócitos (não apresentam grânulos no seu citoplasma) que são identificáveis pela microscopia óptica pela sua imensa massa nuclear esférica e maciça, que ocupa quase todo o seu citoplasma. Tratam-se de células indiferenciadas entre si através deste tipo de microscopia, sendo, contudo, possível diferenciarem-se vários tipos de linfócitos por técnicas imunocitoquímicas de detecção de receptores específicos membranares. Os linfócitos T (figs. 6 a) e 7) possuem um receptor, designado por TCR, que é específico e que, funcionalmente, serve para reconhecer o antigénio que lhe é apresentado a activar o linfócito. Os linfócitos B (figs. 6 b) e 7) possuem receptores diversos, sendo a IgM monomérica o principal, também ela, identificável por imunohistoquímica (Goldsby et al., 2003 e 4).

 

a)

b)

Figura 6: a) Fotografia de um linfócito T ao microscópio electrónico. b) Fotografia de um linfócito B ao microscópio electrónico.

 

 

Figura 7: Esquema representativo da origem e função dos linfócitos B e T.

 

Os linfócitos têm diversas funções no organismo, todas elas de extrema importância para o sistema imunitário (Roitt et al., 2001). Dividem-se em linfócitos T (fig. 8), linfócitos B e linfócitos NK, sendo o linfócito T responsável, principalmente, pelo auxílio ao sistema imunitário e resposta imunitária celular, o linfócito B responsável pela resposta imunitária humoral e os linfócitos NK pela resposta imunitária inespecífica. Os linfócitos T e os linfócitos B produzem respostas imunitárias específicas, pois ambos são estimulados a partir de epitopos de antigénio específico. Neste caso, formam populações monoclonais específicas para atacar o antigénio em questão (Goldsby et al., 2003 e 4).

 

Figura 8: Fotografia de um linfócito T ao microscópio electrónico (5000x).

 

A designação de linfócito T deriva do facto destas células serem “dependentes” do timo para o seu desenvolvimento, uma vez que, é nele que se desenvolvem e atingem a maturação. Morfologicamente, quando os linfócitos se encontram em repouso, observam-se dois tipos de linfócitos: linfócitos agranulares e granulares grandes (LGG). Os linfócitos agranulares possuem um núcleo bastante maior que o citoplasma e o tamanho da célula é menor. Apresentam lisossomas primários e pequenos aglomerados de lípidos no seu citoplasma, que conjuntamente vão formar o corpúsculo de Gall. Este tipo de linfócito representa a maioria dos linfócitos T (auxiliares, citotóxicos e supressores). Por sua vez, os linfócitos granulares grandes não apresentam o referido corpúsculo de Gall devido ao facto dos seus lisossomas se encontrarem dispersos no citoplasma. Este tipo de linfócito representa os linfócitos NK, cerca de 10% dos linfócitos T auxiliares (helpers) e cerca 35% dos linfócitos T citotóxicas (Roitt et al., 2001, 2 e 4).

Funcionalmente, os linfócitos T dividem-se em linfócitos T auxiliares ou helpers (LTh), linfócitos T citotóxicos (LTc) e linfócitos T supressores (LTs) (fig. 9). Cada um deles possui receptores característicos, também eles, identificáveis por técnicas imunológicas e que apresentam funções específicas. Apesar deste facto, todos os linfócitos T possuem os receptores TCR e o CDR 3 (Abbas & Lichtman, 2003, Goldsby et al., 2003, Nikolich-Žugich et al., 2004, 1, 2, 3 e 4).

 

 

Figura 9: Representação esquemática do processo de diferenciação dos linfócitos T.

 

O LTh possui um receptor CD4 na superfície, que tem a função de reconhecer os macrófagos activados e é o principal alvo do HIV. Esta célula é o mensageiro mais importante do sistema imunitário, na medida em que, envia mensagens para os diversos leucócitos a fim destes realizarem um conflito imunológico contra o agente agressor. Esta célula é a que interage com os macrófagos, reconhecendo o epitopo que lhe é apresentado (1, 2 e 4).

A interleucina 1 (IL-1) estimula a expansão clonal de LTh monoclonais que vão secretar diversas interleucinas, sendo portanto, dividido em LTh 1 e LTh 2. Estes subtipos de LTh secretam interleucinas distintas, cada uma com uma função específica. O LTh 1 produz as IL-2 e o interferão gama (IFN-γ) que estão relacionados, principalmente, com a resposta imunitária celular. Por sua vez, o LTh 2 produz as interleucinas 4, 5, 6 e 10, sendo a IL-4 e a IL-10 as mais importantes, estando relacionadas com a resposta imunitária humoral (Nikolich-Žugich et al., 2004, 3 e 4).

Os LTh têm uma função reguladora e servem principalmente para estimular o crescimento e proliferação de LTc e LTs contra o antigénio, estimular o crescimento e diferenciação dos linfócitos B em plasmócitos para produzir anticorpos contra o antigénio, activar os macrófagos e auto-estimulação, ou seja, um determinado LTh pode estimular o crescimento de toda a população de LTh (4).

Os LTc possuem receptores de membrana CD8, que têm a função de reconhecer o MHC-classe I expressada por células rejeitadas (transplantes e enxertos). O MHC (Major Histocompatibility Complex) diz respeito ao complexo de histocompatibilidade principal e todas as células do organismo possuem genes próprios para este complexo, denominados de HLA. Quando uma célula estranha invade o organismo, vão expressar o MHC-classe I na superfície, cuja expressão é ampliada por estímulos como o IFN-γ. O MHC-classe II é produzido por macrófagos e linfócitos B, e tem a função de ligá-los aos linfócitos Th para lhe apresentar o antigénio, através da interacção CD4-MHC-II e TCR-epitopo (Abbas & Lichtman, 2003, Nikolich-Žugich et al., 2004, 3 e 4).

Os linfócitos T citotóxicos são os principais “soldados” do sistema imunitário, pois atacam directamente as células estranhas que expressam o MHC-I e lisam a célula, através da destruição da sua membrana celular. Esta resposta imunitária específica baseia-se na activação e ataque das células CD8. O seu papel estimulador é devido à  IL-2, produzida pelo LTh, que causa a expansão clonal de linfócitos T citotóxicos monoclonais na resposta imunitária mediada por células (Nikolich-Žugich et al., 2004 e 1).

Os LTs são linfócitos que têm a função de modular a resposta imunitária através da sua inibição. Ainda não se conhece muito a respeito destas células, mas sabe-se que agem através da inactivação dos LTc e LTh, limitando a sua acção no organismo aquando de uma reacção imunitária. Sabe-se que estes LTh activam os LTs, que vão controlar os próprios LTh, impedindo que estes exerçam a sua actividade de forma excessiva. Os LTs também participam na chamada tolerância imunológica, que é o mecanismo que o sistema imunitário utiliza para impedir que os leucócitos ataquem as próprias células do organismo. Portanto, se houver deficiência na produção ou activação dos LTs, poderá ocorrer um ataque auto-imune ao organismo. Os receptores de superfície encontrados nos LTs são os CD3 e o CD8, que também se observam nos LTc. O receptor CD3 dos linfócitos T participa do mecanismo de activação intrínseca do linfócito (2 e 4).

 

Receptores de Antigénios dos Linfócitos T – TCR

O receptor de antigénio das células T (TCR - T Cell Receptors) é uma glicoproteína heterodimérica gerada por quatro diferentes grupos de genes (αβ – presentes na maioria dos linfócitos T periféricos e γδ – presentes numa subpopulação de linfócitos T tímicas e numa subpopulação menor de linfócitos T periféricos), ligada por pontes dissulfídricas que permitem o reconhecimento de uma ampla variedade de antigénios pelos linfócitos T (fig. 10). Encontra-se associada, na superfície da célula, a um complexo de péptidos conhecidos por CD3, sendo este componente, provavelmente, necessário ao sinal de transdução após o reconhecimento do antigénio pelo TCR (Roitt et al., 2001, Abbas & Lichtman, 2003, 1 e 3).

 

Figura 10: Esquema representativo da estrutura do TCR.

 

O TCR-αβ reconhece fragmentos processados do antigénio, ligados às moléculas MHC-I ou II. Tanto o MHC como os resíduos péptídicos se associam ao TCR (Roitt et al., 2001 e 1).

 

Complexo Principal de Histocompatibilidade – MHC

Nos seres humanos existem genes que codificam várias proteínas da superfície da membrana celular. Estes aloantigénios são conhecidos como antigénios de leucócitos humanos (HLA – Human Leukocyte Antigens) e o seu elevado polimorfismo permite ao sistema imunitário reconhecer os antigénios self dos non-self (Roitt et al., 2001, Abbas & Lichtman, 2003, 2 e 3).

O reconhecimento das células rejeitadas num enxerto pelos LTc faz-se pelo reconhecimento dos MHC (Major Histocompability Complex), que se dividem em dois conjuntos de moléculas de superfície celular altamente polimórficas, o MHC-Classe I e o MHC-Classe II. Esta molécula é o antigénio de histocompatibilidade principal estando, o MHC-I, presente na membrana celular de quase todas as células do organismo, excepto nas hemácias e plaquetas. Esta classe de MHC reconhece os antigénios proteicos externos (incluindo tecidos transplantados) e são reconhecidos por linfócitos T com especificidade antigénica. Geralmente, as moléculas de classe I são reconhecidas por LTc ou CD8+. Possui duas cadeias, uma α e uma β, sendo que, a parte lateral do MHC-I possui uma estrutura espacial que se encaixa com o CD8 presente nos LTc. O MHC possui uma sequência de aminoácidos própria para cada indivíduo e apresenta-se semelhante para todas as células desse organismo. O MHC-I das células de um indivíduo só é igual a outro se os indivíduos forem gémeos univitelinos (Roitt et al., 2001 e 1).

A sequência de aminoácidos presente nas cadeias do MHC, estando alterada na superfície da célula, é reconhecida pelo LTc pela interacção com o receptor TCR e CD8 (fig. 11). Os péptidos de proteínas endógenas virais produzidos por uma célula infectada unem-se à parte superior da cadeia de aminoácidos do MHC-I no citoplasma e são conduzidos até à superfície da célula para poderem ser reconhecidos (Roitt et al., 2001 e Nikolich-Žugich et al., 2004 e 3).

O MHC-I possui um nível de expressão leve e provém da tradução de RNAm que foi transcrito por genes HLA-A, HLA-B e HLA-C (braço curto do cromossoma 6). A expressão destes genes é elevada quando estimulada pelo IFN-γ, libertado pelos LTh 1 activados durante uma infecção (Abbas & Lichtman, 2003, Nikolich-Žugich et al., 2004 e 4).

 

Figura 11: Vista lateral da interacção entre o receptor do linfócito T (TCR) e o complexo péptido-MHC (pMHC).

 

Os MHC-II (HLA-DR, HLA-DP e HLA-DQ) encontram-se apenas em células que apresentam antigénios (APC – Antigen-Presenting Cells) como os linfócitos B, os macrófagos e as células dendríticas. Pensa-se que os MHC de classe II são os que desempenham o papel predominante na resposta imunitária inicial a antigénios de tecidos transplantados. Ao entrarem em contacto com um antigénio non-self, os HLA de classe II activam os LTh (helper ou CD4+) que, por sua vez, sofrem uma expansão clonal através da produção de citoquinas reguladoras (Abbas & Lichtman, 2003, Nikolich-Žugich et al., 2004, Roitt et al., 2001, 1, 2 e 4).

 

Resposta Imunitária Celular Específica

Para o TCR ficar exposto na superfície da célula, é necessária a presença do CD3, que é formado por um conjunto de cinco polipéptidos. Quando o TCR unido ao CD3 se combina com o antigénio, o CD3 envia sinais de activação para o citoplasma, resultando esse sinal na fosforilação, pelo GTP (guanosina trifosfato). O complexo TCR: CD3 activado, faz com que o GTP transfira um radical fosfato para os aminoácidos tirosina dos polipéptidos do CD3 que, estando fosforilados vão activar o enzima fosfolipase C. Este enzima hidroliza o PIP2 (4,5-bifosfato de fosfaditil-inositol) em IP3 (trifosfato de inositol) e DAG (diacil glicerol). O IP3 estimula a libertação do cálcio das reservas intracitoplasmáticas para o citoplasma. O Ca2+, agora livre no citoplasma, vai activar vários enzimas quinases, que retiram um fosfato ao ATP, colocando-o em proteínas, que se deslocam ao núcleo do linfócito e aí activam a transcrição do RNA mensageiro para a síntese de interleucinas, como a IL-2. O DAG activa a proteína fosfoquinase C que, em presença de cálcio livre, fica activada. A fosfoquinase C (PKC) faz fosforilação de proteínas como o IP3, proteínas essas que, ao se dirigirem ao núcleo, estimulam a transcrição de genes. Este enzima faz, também, a fosforilação de proteínas de libertação das vesículas que vão libertar as interleucinas para o meio externo, que, por sua vez, vão estimular a resposta imunitária celular ou humoral. Todo este mecanismo que causa a activação de genes vindo da interacção TCR-CD3-epitopo é designado de primeiro sinal (1, 3, 4 e 5).

A IL-1 é um co-estimulador, que estimula um segundo sinal mensageiro intracelular que é indispensável para a activação dos LTh. Esse sinal, ainda não esclarecido quanto à sua natureza, resulta na activação da transcrição de genes para citoquinas (como, por exemplo, a IL-2). Ou seja, o linfócito necessita de dois sinais para ser activado, o primeiro vindo da interacção TCR:CD3-antigénio e o segundo do co-estimulador IL-1 (Abbas & Lichtman, 2003, 2 e 4).

A IL-2 formada é uma substância autócrina, que age sobre o próprio LTh que a produziu a quando libertada também age nos LTc. É chamada de factor de proliferação, uma vez que estimula a mitose. Quando o complexo TCR:CD3 é activado pelo antigénio estimula a transcrição do gene do receptor de interleucina 2 e a expressão desse receptor na superfície da célula. Quando a IL-2 se liga a esse receptor ocorre a activação de vários mensageiros intracelulares (desconhecidos) que levam a uma maior síntese de DNA (replicação do DNA), propiciando um aumento da mitose (fig. 12) (Roitt et al., 2001, 3 e 4).

 

Figura 12: Representação esquemática da resposta funcional dos linfócitos T, aquando do contacto do MHC non self das APC’s.

 

Deste modo, quando os linfócitos entram em contacto com a IL-2, ocorre a expansão clonal, ou seja, uma proliferação de linfócitos T específicos que provêm de um só LTh que o produziu (clone), e uma expansão dos linfócitos Tc para a resposta imunitária celular (fig. 13) (Abbas & Lichtman, 2003, 1 e 4).

 

Figura 13: Diversidade funcional dos linfócitos T específicos para um determinado antigénio.

 

Como já foi referido, o gene para a IL-2 é activado para a transcrição sob o estímulo de proteínas fosforiladas no citoplasma, sendo que, a ciclosporina é um imunossupressor que inibe esta activação, inibindo a produção de IL-2 e, indirectamente, a proliferação dos LTh e principalmente dos LTc. Deste modo, inibe-se a resposta imunitária celular, uma vez que, os LTc são os linfócitos capazes de lisar corpos estranhos ou células infectadas por vírus (fig. 14) (1 e 4).

 

Figura 14: Linfócitos Tc em contacto com corpos estranhos.

 

Mecanismos de Desenvolvimento e de Lise Celular dos LTc

Como já foi referido, os linfócitos que ainda não são capazes de realizar uma resposta imunitária formam-se no timo. Os LTc que saem do timo apenas são capazes de reconhecer o antigénio ligado ao MHC-I ou ao MHC estranho exposto na célula-alvo (1).

A capacidade de lise celular dos LTc é activada pelo contacto dos LTc que saíram do timo e o MHC-I estranho e, por citoquinas, que ao atingirem o complexo anterior, activam a diferenciação completa destas células em células capazes de provocar a lise na célula-alvo. O mecanismo de lise é antigénio-específica para o MHC-I estranho e baseia-se na libertação de enzimas, que formam poros na membrana plasmática das células-alvo, destruindo-as por osmose e pela indução da apoptose celular (Goldsby et al., 2003, 2 e 4).

O processo referido pode dividir-se em diversas etapas:

1- Reconhecimento do antigénio: É a ligação do LTc formado no timo com o MHC-I estranho e formação do complexo MHC (antigénio)-TCR-CD3;

2- Activação do LTc: Após o reconhecimento e o contacto com as citoquinas (INF-γ e IL-2) ocorre a activação intrínseca dos linfócitos mediados por CD3. O INF-γ é a única citoquina importante produzida pelos LTc activados numa infecção viral (fig. 15);

3- Golpe letal: Com a libertação de enzimas como a perforina, verifica-se a formação de poros na membrana da célula-alvo. Nesta fase, a toxina celular é também libertada;

4- Separação do LTc: O LTc desliga-se da célula-alvo e afasta-se;

5- Morte: A célula-alvo, contendo poros na membrana, vai sofrer tumefacção osmótica seguida de lise celular e morte. Podem ser libertadas também outras substâncias libertadas pelos grânulos, como a toxina celular que, ao entrar na célula-alvo activa enzimas da apoptose, como a endonuclease que, vai clivar o DNA da célula e provocar uma rápida condensação da cromatina nuclear (3 e 4).

 

Figura 15: Representação esquemática da influência das citoquinas na activação dos linfócitos T.

 

A Origem da Diversidade

A capacidade do sistema imunitário para reconhecer antigénios depende dos anticorpos formados pelos linfócitos B e dos receptores antigénicos expressos pelos linfócitos T. Apesar das diferenças nos mecanismos inerentes ao reconhecimento de antigénios pelos linfócitos T e B, ambos são capazes de reconhecer uma grande variedade deles (Roitt et al., 2001, Abbas & Lichtman, 2003, Nikolich-Žugich et al., 2004 e 5).

Apesar das diferenças entre anticorpos e receptores de linfócitos T, os processos celulares e moleculares que originam a sua diversidade são bastante semelhantes.

A diversidade observada na resposta imunitária mediada por linfócitos T advém da diversidade existente no arranjo dos genes de TCR (1 e 3), arranjo esse bastante semelhante ao dos genes das cadeias pesadas das imunoglobinas. A diversificação dos genes do TCR ocorre por recombinação dos segmentos V(D)J com pequenas variações para cada locus. A cadeia α é bastante simples, excepto na zona central, entre os locus V e J, onde se encontram os loci da cadeia δ. Do mesmo modo, no locus к, o rearranjo entre um segmento Vα e Jα origina uma porção variável completa, sendo a diversidade bastante aumentada pelo número elevado de segmentos J (fig. 16) (Roitt et al., 2001, Abbas & Lichtman, 2003, Nikolich-Žugich et al., 2004, 3 e 5).

 

Figura 16: Diversidade estrutural da cadeia a do TCR.

 

O locus β inclui dois conjuntos de genes D, J e C. A maioria dos genes Vβ encontra-se agrupada, apesar do Vβ 14 estar situado na extremidade 3´ do locus. A duplicação em tandem de Dβ, Jβ e Cβ deve ter ocorrido nas fases iniciais da evolução dos mamíferos, uma vez que, está presente em todos eles. O mecanismo de junção entre os segmentos da região variável é capaz de originar uma grande diversidade já que, para além do arranjo V (D) J podem ocorrer também os arranjos V-J, V-D e D-J. Também os segmentos D aumentam, ainda mais, a diversidade da cadeia β, já que são utilizados em todas as grelhas de leitura (fig. 17) (Roitt et al., 2001, Abbas & Lichtman, 2003, Nikolich-Žugich et al., 2004, 3 e 5).

 

Figura 17: Diversidade estrutural da cadeia b do TCR.

 

O locus da cadeia pesada γ é constituído por oito genes Vγ seguidos, na direcção 5´, por três genes Jγ e o primeiro Cγ, existindo, por isso, dois genes Jφ adicionais antes de Cγ2. Uma união imprecisa de V-J, juntamente com inserções nos pontos de junção constitui um processo importante na formação de uma maior diversidade (Roitt et al., 2001, Nikolich-Žugich et al., 2004, 3 e 5).

O locus δ foi descoberto durante estudos para o locus α, por se encontrar, como já foi referido, na sua região média. É constituído por apenas cinco genes Vδ, dois Dδ e seis Jδ, calculando-se que possam ser geradas cerca de 1014 cadeias δ diferentes. Esta diversidade pode ser produzida por imprecisão dos processos de junção, pela inserção de resíduos adicionais e pelo uso de genes D nas três grelhas de leitura (Roitt et al., 2001 e Nikolich-Žugich et al., 2004).

Os mecanismos pelos quais ocorre a recombinação são semelhantes aos que ocorrem nos linfócitos B, uma vez que, os genes apresentam padrões semelhantes de heptâmeros (12-23 bases) – nonâmeros e rearranjos enzimáticos idênticos ocorrem nos linfócitos B e T. Contudo, a mutação somática, que é um importante mecanismo de produção de diversidade nas imunoglobulinas, não ocorre nos genes de TCR. Tal facto, está relacionado com a necessidade de manter a autotolerância e o reconhecimento dos MHC pelos linfócitos T (Roitt et al., 2001, Abbas & Lichtman, 2003 e Nikolich-Žugich et al., 2004 e 3).

A diversidade depende de vários factores, entre eles, as combinações simples de V, D e J mais a diversificação da região N, a variação no sítio de junção e inúmeras regiões D (Roitt et al., 2001).

 

A maioria dos timócitos, cerca de 99%, diferencia-se em células TCR-αβ e apenas 1% dos linfócitos tímicos maduros expressam o TCR-γδ (Nikolich-Žugich et al., 2004 e 5).

Os linfócitos T têm de reconhecer uma extensa variedade de antigénios. Para tal, as cadeias polipéptidicas αβ e γδ do TCR sofrem recombinação somática durante o desenvolvimento tímico, dando origem a genes funcionais para os receptores das células T. As cadeias β e δ são codificadas pelos segmentos génicos V(D)J, enquanto que a α e γ são codificadas, apenas, pelos segmentos V e J. Os primeiros genes do TCR-α a sofrerem rearranjo durante o desenvolvimento dos linfócitos T codificam as cadeias γ, sendo este processo seguido do rearranjo das cadeias β e α. Através da ligação aleatória dos diferentes segmentos génicos possibilita-se um elevado número de rearranjos produtivos que, por sua vez, possibilitam a expressão de diversas sequências peptídicas para ambas as cadeias do TCR. Relativamente, aos rearranjos não produtivos, são eliminados (Roitt et al., 2001, Abbas & Lichtman, 2003, Nikolich-Žugich et al., 2004, 3 e 5).

A expressão inicial do TCR, na superfície, é pouco significativa, estando maioritariamente confinada ao córtex externo e região subcapsular do timo, onde se verifica uma intensa proliferação celular.

Ainda no timo, os linfócitos T em desenvolvimento são submetidos a dois processos, a selecção positiva e a selecção negativa. O primeiro permite o desenvolvimento dos TCR que possuem uma afinidade moderada aos antigénios próprios do MHC, uma vez que, os linfócitos T reconhecem os péptidos antigénicos quando apresentados pelas moléculas “próprias” do MHC nas APC’s (epitélio cortical do timo). Ou seja, os linfócitos T são capazes de reconhecer tanto os péptidos antigénicos como a região polimórfica das moléculas MHC. Este mecanismo é mediado por células epiteliais do timo que agem como APC’s (Roitt et al., 2001, Abbas & Lichtman, 2003, Nikolich-Žugich et al., 2004, 1, 3 e 5).

Os linfócitos T que apresentam receptores com afinidades muito elevadas ou muito baixas para os antigénios MHC próprios, sofrem apoptose (pela activação de nucleases endógenas que causam a fragmentação do DNA) e morrem no timo.

Os linfócitos T com receptores de afinidade intermédia não sofrem apoptose, prosseguindo a sua maturação (Roitt et al., 2001 e Nikolich-Žugich et al., 2004).

Por sua vez, a selecção negativa actua no seguimento do processo de maturação dos linfócitos. Alguns dos linfócitos T positivamente seleccionados podem ter receptores capazes de reconhecer alguns auto-componentes que não o MHC próprio. Na selecção negativa, os timócitos interagem com o antigénio, com células interdigitantes e com macrófagos e, apenas os que não conseguem reconhecer os auto-antigénios continuam o seu processo de desenvolvimento e maturação, sendo que, os que reconhecem os referidos antigénios sofrem apoptose. Neste estádio de amadurecimento (CD4+, CD8+ e TCR0), os linfócitos T evoluem de forma a expressarem TCR’s em elevada densidade e perdem ou o CD4 ou o CD8, tornando-se linfócitos T maduros com “positividade única”(medula tímica). Estas subpopulações separadas de células de CD4+ ou de CD8+ têm receptores especializados de alojamento e migram para as áreas de linfócitos T dos tecidos linfóides periféricos, onde funcionam como LTh e LTc, respectivamente (Roitt et al., 2001, Abbas & Lichtman, 2003, Nikolich-Žugich et al., 2004, 1, 3 e 5).

Como já foi referido, ambos os processos, de selecção positiva e negativa, envolvem o reconhecimento de péptidos self associados a moléculas MHC antólogas, evidenciando, contudo, diferenças entre si, relacionadas com a avidez estrutural e funcional da ligação dos péptidos ao TCR. A avidez estrutural é determinada pelas afinidades directas das ligações de TCR múltiplos a pMHC’s (péptidos do MHC). Por sua vez, a avidez funcional relaciona a avidez de ligação do linfócito T específico do antigénio com uma função biológica mensurável em diferentes doses do antigénio (fig. 18). Assim, uma ligação mais forte favorecerá a selecção negativa e, a existência de sinais qualitativamente para cada processo de selecção deve-se provavelmente ao facto da função do co-receptor CD8 ser essencial à selecção positiva e não para a negativa, a menos que a afinidade para o péptido seja baixa (Roitt et al., 2001, Abbas & Lichtman, 2003, Nikolich-Žugich et al., 2004 e 5).

 

Figura 18: Representação esquemática do processo de reconhecimento do complexo pMHC da APC pelo TCR, com o posterior reconhecimento das moléculas CD4/CD8 e consequente produção de citoquinas e LTc’s.

 

Menos de 5% dos timócitos deixa o timo, uma vez que, os restantes morrem, em consequência dos processos de selecção e da incapacidade de expressar receptores para os antigénios (Roitt et al., 2001 e Nikolich-Žugich et al., 2004).

Apesar do que já foi referido, nem todos os linfócitos T são eliminados no desenvolvimento intratímico, devido aos factos de, nem todos os auto-antigénios serem capazes de se deslocar por entre os tecidos tímicos, os TCR’s dos linfócitos T possuírem uma afinidade muita baixa para o complexo MHC apresentado nas células do estroma tímico e/ou porque a concentração do complexo pMHC poder ser, na sua superfície, bastante baixa, e o epitélio tímico poder, também ele, servir de barreira a alguns antigénios circulantes. Neste caso, ocorre a inactivação periférica dos linfócitos T auto-reactivos (tolerância periférica) através da regulação negativa do TCR e CD8 (LTc’s), de forma a incapacitar as células de interagir com os auto-antigénios alvo, e, a provocar anergia, motivada pela falta de sinais secundários fundamentais de activação, fornecidos pelas células alvo (Roitt et al., 2001, Abbas & Lichtman, 2003, Nikolich-Žugich et al., 2004, 3 e 5).

Os linfócitos T, na fase de maturação, são “educados” para reconhecer antigénios no contexto do MHC, originalmente, encontrado no timo (Roitt et al., 2001 e Nikolich-Žugich et al., 2004).    

 

A Regulação da Resposta Imunitária 

A resposta imunitária está sujeita a vários mecanismos de controlo cuja finalidade é restaurar o estado de repouso do organismo quando a resposta a um determinado antigénio deixa de ser necessária. Uma resposta imunitária eficiente é o resultado final de diversas interacções entre o antigénio e diversas células competentes do ponto de vista imunológico. Esta resposta é determinada, aos níveis qualitativo e quantitativo, por diversos factores, quer intrínsecos (estado de saúde do indivíduo, entre outros), quer extrínsecos (por exemplo, o próprio organismo estranho). Também a natureza, a dose e a via de administração do antigénio são profundamente importantes e determinantes para o resultado da resposta imunitária (Abbas & Lichtman, 2003).

Os linfócitos B e T são activados pelo antigénio após ocorrer uma ligação eficiente entre os seus receptores específicos e o antigénio. Contudo, no caso dos linfócitos T, este contacto não se dá directamente com o antigénio mas sim com péptidos antigénicos processados e ligados às moléculas MHC-I ou II (Roitt et al., 2001, 3 e 4).

Uma resposta imunitária eficiente remove o antigénio do sistema e, como a exposição repetida ao antigénio é necessária para manter os linfócitos T e B em fase activa de proliferação, os linfócitos retornam ao estado quiescente (Roitt et al., 2001).

Doses muito elevadas de antigénio resultam, frequentemente, numa tolerância específica dos linfócitos T ou, por vezes, dos linfócitos B.

A ocorrência de uma resposta imunitária ou uma tolerância a um determinado antigénio depende inicialmente da natureza das APC’s, que apresentam esse mesmo antigénio. Uma activação eficiente dos linfócitos T exige a expressão de moléculas co-estimuladoras na superfície dessas APC’s. Deste modo, a apresentação do antigénio por células dendríticas ou por macrófagos activados, com elevados níveis das moléculas co-estimuladoras e de MHC-II, resulta numa activação eficaz dos linfócitos T. Pelo contrário, se o antigénio é apresentado aos linfócitos T por uma APC “não profissional”, este é incapaz de produzir co-estimuladores, não ocorrendo resposta (Roitt et al., 2001 e Abbas & Lichtman, 2003).

Como já se referiu, os linfócitos T, claramente, moldam a resposta imunitária num sentido positivo, ao proporcionarem o auxílio do linfócito T. Também, o tipo de ajuda que é gerado (Th1 x Th2) afecta a natureza da resposta imunitária, favorecendo a imunidade humoral ou celular (Roitt et al., 2001).

A supressão total ou parcial da resposta imunitária pode ocorrer pela acção dos LTh, em que se verifica uma produção de citoquinas, como a TGFb, a IL-4 e a IL-10. Estudos evidenciam que os linfócitos T CD4+ gerados após a administração de doses elevadas de auto-antigénio impedem um desenvolvimento posterior de auto-imunidade. Por exemplo, linfócitos T CD4+ apresentados impedem o desenvolvimento de              auto-anticorpos para a tiroglobulina. E, a administração do anticorpo CD4+ com uma dose imunogénica de tiroglobulina, impede, não só, o desenvolvimento de auto-imunidade, como também, permite o aparecimento de uma população de linfócitos T CD4+ capazes de transferir a tolerância específica a receptores ingénuos (Roitt et al., 2001).

A produção de diferentes citoquinas por diferentes populações de LTh permite inferir acerca da regulação de síntese da IgE, tendo já sido demonstrada uma regulação cruzada por subpopulações LTh, em que citoquinas como o IFNg secretado por LTh 1 podem inibir a resposta dos LTh 2. A IL-10 produzida pelos LTh 2 tem um controlo negativo sobre o B7 (2) e a expressão de IL-12 pelas APC, inibindo, por consequência, a activação dos LTh 1. Ou seja, a selecção do tipo de resposta imunitária é resultado da activação preferencial de LTh 1 ou LTh 2 (Roitt et al., 2001 e Abbas & Lichtman, 2003).    

Também, os linfócitos T CD8+ interferem nas respostas imunitárias, podendo promovê-las ou impedi-las (2).

A tolerância aos auto-antigénios é estabelecida durante a ontogenia, em que, os receptores individuais antigénio-específicos em linfócitos T e B estão presentes na fase neonatal, já em níveis suficientes para gerar tolerância. Tolerância, esta, desenvolvida apenas nas porções Fc, uma vez que, apenas estas estão presentes em número suficiente. Tal não acontece para os determinantes únicos nas cadeias leves e pesadas que determinam a especificidade do antigénio, uma vez que, estes se encontram em número reduzido. Deste modo, os receptores individuais dos linfócitos T e as imunoglobulinas são, portanto, imunogénicos, em virtude destas sequências únicas, designadas por idiotipos, que tanto podem ser codificados pelos genes da linhagem germinativa da região V como gerados nos processos de recombinação e mutação envolvidos na produção de elementos funcionais desta região (Roitt et al., 2001 e 2).

   A resposta imunitária e a activação de linfócitos T também podem ser influenciadas pelo MHC-I e II, uma vez que estas moléculas apresentam um elevado polimorfismo que, por sua vez, tem um impacto profundo na ligação do péptido.

Os mecanismos de tolerância imunológica são, portanto, necessários como forma de impedir a reactividade contra os constituintes do próprio organismo, dado que, o sistema imunitário gera ao acaso elevada variabilidade de receptores              antigénio-específicos, dos quais alguns se podem tornar auto-reactivos. A                auto-reactividade é inibida por mecanismos não programados geneticamente e que ocorrem durante o desenvolvimento. No seu decorrer, faz-se a discriminação próprio/não próprio, ou seja, self/non self e, o self deve compreender todos os determinantes antigénicos (epitopos) codificados pelo DNA do indivíduo de forma a todos os outros epitopos serem reconhecidos como non self. Deste modo, não é a estrutura da molécula em si, que determina se ela é reconhecida como self ou non self, mas sim outras características, para além das estruturais do epitopo. Entre elas, a época em que os linfócitos contactam pela primeira vez com os epitopos, o local onde isso ocorre, a natureza das células apresentadoras de epitopos e a produção de moléculas co-estimuladoras pelas últimas (Roitt et al., 2001).           

 

Resposta Imunitária Mediada por Células em:

Transplantes

Quando um tecido estranho chega ao nosso organismo, partes dele, ou seja, algumas células do tecido, desprendem-se e são levadas aos tecidos linfóides secundários, como os nódulos linfáticos e/ou baço, onde as células apresentadoras de antigénios apresentam o antigénio ao LTh, que, quando activados, produzem IL-2. Esta, por sua vez, estimula a expansão clonal e a activação dos LTc para o ataque. Ocorre também uma apresentação directa do antigénio ao LTc através do reconhecimento do MHC-I estranho na superfície das células estranhas do enxerto, através da interacção MHC-I e TCR. Estes LTc possuem receptores CD8 e TCR. O TCR e o CD8 próprio do LTc são capazes de reconhecer o MHC-I que possui uma sequência de aminoácidos estranha, que está presente nas células. Nos casos de enxertos de tecidos, a expressão dos MHC-I aumenta, uma vez que, a produção de IFN-γ, também ela, aumenta. Após o reconhecimento, ocorre a lise do tecido estranho pelas células citotóxicas. O MHC-II é expressado no endotélio estranho que compõe o tecido enxertado e é reconhecido pelos LTh activados que chegam ao local e que induzem ainda mais a resposta contra o tecido. Os LTh activados nos tecidos linfóides e directamente no local podem activar a resposta imunitária humoral, que forma anticorpos anti-enxertos (4).

Este mecanismo de rejeição ocorre da mesma forma para as células neoplásicas, uma vez que, estas também possuem alterações nos seus MHC-I (receptores neoformados).

 

Ataque a Vírus

Na resposta imunitária celular que se desenvolve contra vírus e outros, ocorre a migração destes até aos nódulos linfáticos satélite (fig. 19). Da mesma forma, há a apresentação do antigénio pelos macrófagos aos LTh 1 que, fazem uma expansão clonal formando uma imensa população. Nesta expansão formam-se também linfócitos T de memória que vão “guardar” no seu interior as informações sobre o antigénio. Essas informações servem para a resposta imunitária secundária, na qual o antigénio entra em contacto com o sistema pela segunda vez e é rapidamente reconhecido (por células de memória) e atacado (4).

 

                     

Figura 19: Fotografia, ao microscópio, de um linfócito Th a ser atacado por um vírus (HIV).

 

Estes LTh 1 da população clonal formam IL-2 e IFN-γ que activam os LTc que vão aumentar o seu nível da expansão clonal e elevar o seu metabolismo interno.

Mas o que ocorre numa infecção viral, para além da apresentação do antigénio aos LTh, é a apresentação directa aos LTc que chegam até às células infectadas. Essas células que possuem o vírus multiplicam-se no seu interior, e vão manifestar péptidos virais em cima da sequência de aminoácidos do MHC-I. Esse processo ocorre na altura de sintetizar o MHC-I. Quando a vesícula exocítica contendo as cadeias do MHC-I recém traduzidas no retículo endoplasmático rugoso estão a caminho da superfície, ocorre uma fusão com uma vesícula contendo péptidos virais intrínsecos da célula. Neste ponto, o MHC-I atinge a superfície da célula contendo os antigénios virais unidos à sua cadeia de aminoácidos. O receptor CD8 dos LTc encaixa-se no MHC-I lateralmente e o TCR dos LTc reconhece a cadeia estranha e activa o ataque à célula (4).

Há duas formas dos LTc atacarem os vírus:

- Por destruição das células hospedeiras infectadas que são fontes das partículas virais replicadas;

- Por uma elevada libertação de interferão gama que, embora seja uma molécula reguladora, é também um importante antiviral, na medida em que, induz a célula hospedeira a produzir uma proteína antiviral protectora que impede a formação de proteínas virais (4).

 

Ataque a Fungos ou Bactérias

Uma infecção por fungos ou micobactérias não ocorre directamente pelo reconhecimento dos LTc, mas sim pela intensa participação dos LTh 1 que, como já foi referido anteriormente, fazem o reconhecimento nas células apresentadoras de antigénios e libertam citoquinas estimuladoras de LTc (4).

Também, com a activação dos LTh 1 ocorre a estimulação para a formação de um clone de células de memória (LTm) específicas para o antigénio que vai permanecer sempre no organismo e manifestar-se numa resposta imunitária secundária (4).

 

Resumo do Artigo de Revisão

O artigo de revisão, em análise, aborda os avanços mais recentes da diversidade do reportório de linfócitos T (nomeadamente, ao nível dos receptores destas células - TCR), necessária para gerar uma resposta imunológica eficiente (Nikolich-Žugich et al., 2004).

A diversidade inicial do sistema imunitário é produzida nos órgãos linfóides primários e, a diversificação posterior, ou periférica, ocorre, quer por hipermutação somática nos receptores dos linfócitos B, quer pela diversificação funcional dos linfócitos T efectores (Abbas & Lichtman, 2003 e Nikolich-Žugich et al., 2004).

A resposta imunitária baseia-se na presença de uma população de linfócitos T, num equilíbrio que permita responder a péptidos de patogenes ligados a MHC´s, através da produção e manutenção de um reportório diverso de receptores de linfócitos T (TCR). Essa diversidade de TCR’s está confinada às regiões que determinam a complementaridade (CDR’s) aos péptidos ligados aos MHC’s (complexo pMHC) (Abbas & Lichtman, 2003 e Nikolich-Žugich et al., 2004).

A diversificação dos TCR deve, provavelmente, ter co-evoluído em conjunto com os patogenes, de modo a produzir receptores diversificados que estejam à altura de produzir uma resposta eficaz para o universo de antigénios. Também a diversidade estrutural e funcional dos linfócitos T contribui, de forma inequívoca, para a geração da diversidade do seu reportório. No entanto, faltam evidências experimentais relativamente à relação entre quantidade e qualidade entre a diversidade de linfócitos potencial, e realmente existente, e o resultado da defesa imunitária contra os patogenes e, também, até que ponto a variabilidade do reportório de células ingénuas afecta a magnitude e a complexidade das respostas imunitárias (Nikolich-Žugich et al., 2004).

Alguns aspectos como a estrutura natural da reactividade cruzada, o nível de especifidade/promiscuidade dos TCR’s e a natureza da discriminação da resposta entre péptidos proximamente relacionados não estão ainda completamente compreendidos (Nikolich-Žugich et al., 2004).

Diversos factores influenciam a diversidade do reportório dos linfócitos T, entre eles, a sua diversidade recombinatória e os efeitos da interacção TCR-pMHC, interacções estas que vão aperfeiçoar o alcance e a reactividade do reportório. Também, a avidez estrutural e a avidez funcional dos linfócitos T são factores de enorme relevância por serem, também eles, responsáveis pelo ganho ou a perda de determinados TCR’s (Abbas & Lichtman, 2003 e Nikolich-Žugich et al., 2004).

Outros factores de extrema importância são as moléculas de MHC e o seu acentuado polimorfismo, na medida em que, cada uma delas selecciona preferencialmente algumas e “apaga” outras especificidades dos TCR’s, criando falhas únicas no seu reportório. Também, as mudanças no complexo de pMHC podem conduzir a diferenças no reportório funcional expresso de TCR-αβ mapeados por selecção positiva e negativa. Relativamente a estes processos de selecção, a purificação de TCR’s nos linfócitos T auto-reactivos por selecção negativa, reduz a diversidade dos mesmos, podendo produzir incapacidade de resposta a determinados antigénios ou, alternativamente, a selecção de TCR’s de reduzida avidez estrutural (Abbas & Lichtman, 2003 e Nikolich-Žugich et al., 2004).

A delecção preferencial das células T mais promíscuas pode explicar a razão de muitos indivíduos possuírem linfócitos T auto-reactivos, e, relativamente, poucos sofrerem de doenças auto-imunes (Nikolich-Žugich et al., 2004).

A imunodominância dos TCR’s, ou seja, o recrutamento preferencial de uma população de células T que expressa elementos TCR restritos, em resposta a um determinado epitopo é maioritariamente determinada pelas características estruturais e avidez da população de linfócitos T efectores (Nikolich-Žugich et al., 2004).

O reportório TCR é influenciado, principalmente, por duas forças, o contacto do TCR com o complexo pMHC e a sub-regulação das moléculas de superfície dos linfócitos (TCR, CD4 e CD8) ou uma anergia funcional, que resultam na modificação funcional da reactividade dos linfócitos T, estando preparados para a defesa contra patogenes, à saída do timo. Nesta fase, estabelece-se a diversidade funcional, ao ser estabelecido o contacto com o antigénio. Contudo, continua por esclarecer até que ponto a estrutura do TCR e a avidez podem determinar a diversificação funcional intra e extratímica e, qual a extensão dos aspectos funcionais que estão programados pelos eventos independentes ao TCR (Abbas & Lichtman, 2003 e Nikolich-Žugich et al., 2004).

A avidez do TCR afecta também as respostas dos linfócitos Th 1 e 2, nos quais, uma maior avidez e um contacto mais longo com o complexo TCR-pMHC têm sido atribuídos a funções dos LTh 1 (Nikolich-Žugich et al., 2004).

Um importante factor na interface da diversidade estrutural e funcional é a reactividade cruzada dos TCR’s que, surge como resposta à forma de usar o reportório de TCR finito, distribuído num número finito de linfócitos T e distribuído por um número bastante vasto de epitopos (Nikolich-Žugich et al., 2004).

A especificidade do reconhecimento deve ser suficientemente elevada para o reportório responder a um péptido estranho mas não a um péptido self (próprio). Assim, a reactividade cruzada, ou seja, a capacidade de reconhecer diversos péptidos diferentes ligados a moléculas de MHC surge, de modo a providenciar a existência de um equilíbrio entre a vantagem de uma frequência elevada de linfócitos T que respondem ao mesmo epitopo e a desvantagem de um elevado nível de delecção clonal intratímica. A reactividade cruzada contribui, então, para a diversidade de reconhecimento do antigénio quase na mesma extensão que a diversidade estrutural do TCR-αβ. Este fenómeno é de extrema importância, na medida em que, se a reactividade cruzada for funcionalmente relevante para a defesa de patogenes, pode ser capaz de cobrir muitas situações nas quais há restrições na diversidade estrutural (Abbas & Lichtman, 2003 e Nikolich-Žugich et al., 2004).

A diversidade gerada é bastante relevante no que respeita à resistência a um determinado patogene, uma vez que, através da geração de um pool diverso de recrutamento de linfócitos T com elevada avidez, se obtém uma eficácia mais elevada na eliminação de células infectadas (Nikolich-Žugich et al., 2004). Diversos estudos estão a ser desenvolvidos nesta área da imunologia moderna de modo a quantificar a diversidade de TCR’s em diferentes órgãos linfóides e ao longo de vários processos biológicos. Tais investigações, proporcionarão uma excelente plataforma a partir da qual se esclareça, inequivocamente, o papel da diversidade de TCR’s na defesa imunitária (Nikolich-Žugich et al., 2004)

 

Considerações Finais

Ao longo de todo o trabalho pode observar-se que o Homem possui diversas barreiras a agentes estranhos. Para além das barreiras naturais evidentemente presentes em todos os organismos, possuímos também outras, nomeadamente as conferidas pelo sistema imunitário.

As respostas imunitárias resultantes da acção deste sistema podem ser dadas por diferentes tipos de células consoante se trate de uma resposta inespecífica ou específica. No primeiro caso, a resposta é dada por macrófagos e interferões, entre outros. Quanto às respostas imunitárias específicas, estas são mediadas por linfócitos B e/ou T.

Relativamente ao desenvolvimento e maturação destes últimos, ocorre principalmente na medula óssea e no timo, para os linfócitos B e T, respectivamente.

Diversas células têm um papel preponderante nas respostas do sistema imunitário, entre elas, os linfócitos. Existem diversos tipos de linfócitos T, os LTh, os LTc e os LTs. Todos os linfócitos apresentam um receptor na sua membrana, o TCR, que permite o reconhecimento de fragmentos processados do antigénio, ligados às moléculas MHC-I ou II.

A capacidade do sistema imunitário para reconhecer antigénios depende dos anticorpos formados pelos linfócitos B e dos receptores antigénicos expressos pelos linfócitos T. Diversos mecanismos que ocorrem durante a fase de maturação dos linfócitos T no timo, e mesmo no decorrer da maturação periférica, estão envolvidos na geração da elevada diversidade no reportório de linfócitos T.

A diversidade observada na resposta imunitária mediada por linfócitos T advém, principalmente, da diversidade existente no arranjo dos genes de TCR que, ocorre por recombinação dos segmentos V(D)J com pequenas variações para cada locus nas cadeias α, β, γ e δ.

Contudo, de todo o reportório de linfócitos T que é gerado no timo, apenas cerca de 5% sobrevive às selecções positiva e negativa, sofrendo, os restantes, apoptose. Em ambos, ocorre um reconhecimento de péptidos self associados a moléculas MHC antólogas, evidenciando, contudo, diferenças entre si, que residem na avidez estrutural e funcional da ligação dos péptidos ao TCR.       

A tolerância aos auto-antigénios é estabelecida durante a ontogenia, em que, os receptores individuais antigénio-específicos em linfócitos T e B estão presentes, na fase neonatal, já em níveis suficientes para gerar tolerância. Os mecanismos de tolerância imunológica são, deste modo, necessários como forma de impedir a reactividade contra os constituintes do próprio organismo, uma vez que, o sistema imunitário gera ao acaso uma elevada variabilidade de receptores antigénio-específicos, dos quais alguns se podem tornar auto-reactivos.

Actualmente, ainda não estão completamente clarificados quais os mecanismos mais relevantes, e a forma como estes actuam, na formação de uma grande diversidade no reportório de linfócitos T. Assim, como uma baixa diversidade de linfócitos T pode conduzir a um funcionamento deficiente do sistema imunitário, a total clarificação destes mecanismos poderá constituir a base do desenvolvimento de novas terapias para o tratamento de imunodeficências.

 

Referências

-         Abbas, A. K., Lichtman, A. H., 2003. Cellular and Molecular Immunology, 5th ed.. Saunders Comp., U.S.A.

-         Dicionario de Biología, 1998. Editorial Oxford-Complutense; Madrid, España.

-         Glick, B. R., Pasternak, J. J., 2003. Molecular Biotechnology – Principles and Applications of Recombinant DNA (3rd ed.). ASM Press, Washington, D. C..

-         Goldsby, R. A., Kindt, T. J., Osborne, B. A., Kuby, J., 2003. Immunology (5th ed.). W. H. Freeman and Company, New York, USA..

-         Manuila, L., A. Manuila, P. Lewalle, e M. Nicoulin, 1999. Dictionnaire Médical. Masson Éditeur; Paris, França.

-         Nikolich-Žugich, J., Slifka, M. K., Messaoudi, I., 2004. The many important facets of T-cell repertoire diversity. Nature Reviews Immunology, 4: 123-132.

-         Purves, W. K., Orians, G. H., Heller, H. C., Sadava, D., 1998. Life – The Science of Biology, 5ª ed., Sinauer Associates, Inc & W. H. Freeman and Company, USA.

-         Roitt, I., Brostoff, J., Male, D., 2001. Immunology (6th ed.). Mosby, London, UK.

-         1 http://www.eurekah.com

-           2 http://www.ohsu.edu

-           3 http://www.sciencedirect.com

-           4 http://www.ubi.pt

-           5 http://ntri.tamuk.edu/immunology/cmediated.html

-           6 http://www.technion.ac.il